Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Dezesseis municípios do Amazonas já sofrem com a cheia dos rios, segundo a AMM

Sete municípios do Amazonas estão em estado de alerta, oito em emergência e um em calamidade pública, entre eles Canutama, no Sul do Estado

Canutama está localizado na calha do rio Purus, Sul do Amazonas

Canutama está localizado na calha do rio Purus, Sul do Amazonas (Divulgação/ AAM)

O município de Canutama, a 1.274 quilômetros distante de Manaus via fluvial, é o mais sétimo do Amazonas a decretar Estado de Emergência por conta cheias provocadas pela temporada de chuvas, segundo levantamento da Associação Amazonense de Municípios (AAM). O levantamento, que é realizado semanalmente junto às prefeituras e defesas civis do interior do Estado, foi divulgado na manhã desta quinta-feira (6).

“Estamos desocupando salas de aula e repartições públicas para atender imediatamente as 60 famílias que já estão desabrigadas. Outras mil pessoas da área urbana e rural já foram afetadas diretamente pelas águas e também serão alojadas nos próximos dias”, afirmou o prefeito de Canutama, Ocivaldo Amorim, durante a operação de remoção das famílias na tarde desta quinta.

Com 12 mil habitantes, a cidade da Calha do Purus passa a integrar a lista que já tem Boca do Acre, Lábrea, Pauini (todos no Purus), Envira, Guajará, Ipixuna (Região do Juruá) e Apuí, no Rio Madeira.

Tapauá, Carauari, Eirunepé, Itamarati, Borba, Manicoré e Novo Aripuanã estão em Estado de Alerta e Humaitá, no Rio Madeira, decretou Calamidade Pública na semana passada.

Escassez de recursos

Segundo o presidente da AAM e prefeito de Boca do Acre, Iran Lima, a exemplo dos anos anteriores, em 2014 o auxílio e as ações humanitárias de saúde, transporte e infraestrutura do Governo do Estado chegaram bem antes de qualquer apoio ou recurso federal.

“Com as constantes perdas em repasses federais é o Estado que está nos auxiliando no atendimento imediato das demandas da população. Sem este apoio, a situação estaria muito pior”, destacou Lima, ao lembrar que em 2013, apenas três dos 45 municípios amazonenses que decretaram emergência foram atendidos pela Defesa Civil Nacional.

Na próxima semana, a AAM realiza em Manaus um encontro com os coordenadores e representantes das defesas civis do interior para prestar orientações e informações técnicas sobre relatórios a serem encaminhados para o Ministério da Integração Nacional em Brasília (DF) solicitando maior agilidade na liberação de recursos.