Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Estados do Norte tem Índice de Progresso Social inferior à média nacional, diz estudo

Estudo avaliou 43 indicadores e revelou que Estados do Norte tem Índice de Progresso Social inferior à média nacional

O modelo ZFM contribui para a preservação da floresta Amazônica

Estudo avaliou média do progresso social da região e constatou ser 15% menor que das demais cidades do País (Jornal A Crítica)

Um estudo inédito revelou que os nove Estados da Região Norte, incluindo o Amazonas, apresentam indicadores sociais e ambientais inferiores à média nacional na comparação com outras regiões. O resumo do Índice de Progresso Social (IPS Amazônia 2104), divulgado no final de semana pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), revelou dados preocupantes num diagnóstico detalhado sobre progresso social e ambiental dos 772 municípios da Região Norte.

O IPS médio da Amazônia foi de 57,31, ou seja, inferior à média nacional de 67,73, considerando uma variação que vai de zero, para o pior nível de progresso social, a 100, melhor. O quantitativo mostra que, além da preocupação com o desmatamento, a Amazônia apresenta déficits ambientais e sociais significativos.

De acordo com o Imazon, a Amazônia é conhecida internacionalmente por seus recursos naturais e importância ambiental, mas a maioria de seus 24 milhões de habitantes convive com desafios sociais e com a falta de oportunidades.

Foram utilizados 43 indicadores recentes obtidos de fontes públicas para calcular o IPS da Amazônia, sendo que alguns foram escolhidos para refletir melhor as peculiaridades da realidade local. Entre eles, estão a incidência da malária e o desmatamento, mas preservando as condições de comparação com o restante do Brasil.

Municípios

Dos 772 municípios da Região Norte, 98,5% apresentaram um IPS menor que a média do Brasil, que está na 46ª posição em um ranking mundial de 132 Países, conforme a última edição do estudo IPS global, lançado em abril, na qual os líderes Nova Zelândia, Suíça e Islândia obtiveram média superior a 88.

A metodologia do Índice de Progresso Social considerou as “Necessidades Humanas Básicas”, “Fundamentos para o Bem-Estar” e “Oportunidades” como dimensões para nortear o levantamento sobre os 772 municípios dos nove Estados da Amazônia.

O melhor resultado foi obtido nos Fundamentos para o Bem-Estar, com índice médio de 64,84, e o pior na de Oportunidades, com 48,33. Essa dimensão também apresenta a maior diferença entre a Região Norte e o restante do País de 21%, evidenciando que faltam oportunidades para a população amazônica, segundo conclui o estudo.

Progresso medido por grupos

Foram criados cinco grupos para mostrar o comportamento do progresso social na Amazônia. O grupo com 87 municípios apresentou os melhores resultados com IPS médio de 65,79, somando 390 mil km2 e 9,4 milhões de habitantes. O grupo dois com 200 municípios teve IPS médio de 61,13. O grupo três com 194 municípios teve IPS médio de 59,10. O grupo quatro com 204 municípios apresentou IPS médio de 53,59. O último grupo com 87 municípios registrou os níveis mais baixos de progresso social na Amazônia, com IPS médio de 49 e 1,7 milhão de habitantes (7% do total da região).