Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Governo Federal manda representantes para acompanhar situação em Humaitá

Representantes do Ministério da Justiça e o vice-governador vão à cidade para tentar mediar a tensão política que envolve os índios Tenharim na região

População revoltada promoveu caos em Humaitá (AM)

População revoltada promoveu caos em Humaitá (AM) (Raolin Magalhães/Freelancer)

Representantes do Ministério da Justiça e o vice-governador do Amazonas, José Melo, participam de reunião neste sábado, em Humaitá, para tratar da crise envolvendo os índios Tenharim, no Sul do Amazonas, acusados de suposto seqüestro de três homens desaparecidos dentro de sua reserva, na rodovia Transamazônica, desde o dia 16 de dezembro.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, se preocupado com a situação e mantido contato por telefone junto ao governador Omar Aziz, a pedido da presidente Dilma Rousseff.

As lideranças indígenas negam a participação em um eventual crime, mas já foram alvo de ataques populares no final de dezembro, quando um grupo de pessoas queimou prédios públicos e carros institucionais da Funai, em Humaitá. A situação levou o Ministério Público Federal do Amazonas (MPF/AM) a pedir proteção dos índios, temendo represálias de madeireiros, fazendeiros e populares da região.

Buscas já duram duas semanas

O município de Humaitá vive dias de tensão desde o desaparecimento Stef Pinheiro de Souza, Luciano Ferreira Freire e Aldeney Ribeiro Salvador dentro da reserva indígena Tenharim.  

Até agora, foram achadas apenas partes incineradas do carro em que eles viajavam de Humaitá para Apuí. Em entrevista à A CRÍTICA, familiares acreditam que eles já estão mortos e exigem da força tarefa mais agilidade no resgate dos corpos.

PF conta com novo aparato

Desde quinta-feira (9), a Polícia Federal conta com novas ferramentas para ajudar no trabalho de buscas pelos desaparecidos, como um caminhão que funciona como delegacia móvel e equipamentos como um aparelho que realiza a leitura do solo e um detector de metais.

A PF informou que cerca de 200 homens das forças de segurança estão atuando intensivamente na operação nos próximos cinco dias para encontrar os desaparecidos.  Segundo o delegado federal Alexandre Alves, responsável pelas buscas, os indígenas e
população de Santo Antônio de Matupi, no km 180 da Transamazônica, serão ouvidos pela investigação.

O inquérito da Polícia Federal para investigar o desaparecimento dos três homens iniciou no dia 28 de dezembro com prazo para encerrar em 30 dias. A operação de buscas envolve efetivo da PF, Exército, Força Nacional e Polícia Militar do Amazonas.