Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Lideranças denunciam a existência de 200 pessoas em regime de escravidão em Barcelos

Ministério Público do Trabalho (MPT) comandou operação que resgatou oito pessoas que trabalhavam em regime de escravidão na extração da piaçava, em construções improvisadas no meio da floresta Amazônica

Trabalhadores dormiam em palhas no meio da mata, disse o MPT

Trabalhadores dormiam em palhas no meio da mata, disse o MPT (Divulgação/MPF)

Lideranças indígenas do município de Barcelos (a 405 quilômetros de Manaus) estimam que haja aproximadamente 200 trabalhadores em condições análogas ao trabalho escravo na extração de piaçava na região. A denúncia foi apresentada nesta quarta-feira (28), pelo líder do Governo na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado estadual Sidney Leite (PROS), durante pronunciamento em plenário.

O parlamentar afirmou que o número foi obtido a partir de cálculos feitos por representantes indígenas das etnias que compõem a região do Alto Rio Negro. As lideranças pediram continuidade da ação do Ministério Público do Trabalho (MPT/11ª Região), que resgatou 13 trabalhadores no município, no último dia 11.

“É uma situação que choca. Estive em Barcelos durante a ação do MPT. Havia pessoas com mais de 40 anos que nunca conseguiu chegar na sede do município, por viver em total isolamento na floresta, gente que estava sem contato com a área urbana”, afirmou Sidney Leite. O parlamentar explicou que ao saírem para a extração da piaçava na floresta pela primeira vez, os trabalhadores já recebiam uma cesta com mantimentos, contraindo uma dívida que só aumentava com o passar do tempo.

“Existem pessoas que até hoje não têm sequer o registro de nascimento e até quem nunca constituiu família por viver desse jeito, sem poder sair do meio da mata. Não podemos admitir que ainda hoje, no Amazonas, existam trabalhadores em regime de escravidão”, disse.

De acordo com o parlamentar, ele foi procurado pelas lideranças indígenas para discutir um modelo de extração da piaçava em forma de cooperativa. “Estamos buscando juntos um tipo de organização que garanta oportunidade de renda e qualidade de vida, como fruto do trabalho”, disse.