Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Apesar de ilegal, caça predatória do peixe-boi da Amazônia abastece feiras no Amazonas

Segundo biólogo da Associação Amigos do Peixe-boi (AMPA), a carne do peixe-boi é comercializada em Manaus e no interior sob encomenda por valores entre R$ 5 e R$ 20 o quilo. Espécie está vulnerável à extinção

Peixe-boi é um dos mamíferos aquáticos da Amazônia

Peixe-boi é um dos mamíferos aquáticos da Amazônia

Apesar de protegido pela legislação brasileira desde 1967, o peixe-boi da Amazônia é uma das cinco espécies de mamíferos aquáticos da região que teve sua população reduzida por conta da caça predatória que, apesar de ilegal, vem abastecendo o ‘mercado negro’ da carne de boto, inclusive, nas feiras de Manaus.

O alerta foi feito pelo biólogo da Associação Amigos do Peixe-boi (AMPA), Diogo Souza. Segundo o especialista, o peixe-boi da Amazônia figura entre as espécies vulneráveis à extinção, segundo a International Union for Conservation of Nature (IUCN).

Mesmo assim, devido ao valor comercial e sabor da sua carne, o Peixe-boi da Amazônia ainda  é alvo da caça predatória. Nas feiras das cidades do interior e até na capital, a comercialização da iguaria se dá de forma esporádica, principalmente por encomenda, e o preço pode variar de R$ 5 a R$ 20 o quilo.

“Já ouvimos relatos da venda da carne do peixe-boi na feira do Coroado (Zona Leste de Manaus), por exemplo”, disse Souza.

Espécies

A Amazônia possui  apenas cinco espécies de mamíferos aquáticos: a ararinha, a lontra neotropical, o boto vermelho, o tucuxi e o peixe-boi. Mas algumas dessas espécies tem sofrido com a caça predatória e a alguns deles  estão na lista dos animais vulneráveis a extinção, como é o caso dos peixes-boi.

O Peixe-boi da Amazônia é o único mamífero aquático herbívoro da região. Ele se alimenta das plantas que nascem nos rios e controla o crescimento  das macrófitas (plantas aquáticas).

As fezes e urina do animal servem como fertilizantes das águas, contribuindo assim, para a manutenção do meio ambiente. Esses animais são mais abundantes em rios de águas brancas, mas a sua ocorrência também pode acontecer em rios de águas pretas.

“O peixe-boi é muito importante porque ele é o único mamífero aquático que come plantas aquáticas. Com o desaparecimento da espécie, houve uma época que o governo começou a ter problemas com as construções de hidrelétricas. Como a água fica parada, as macrófitas começam a aparecer em maior quantidade,  e sem o peixe-boi para comê-las, elas invadiam as turbinas, causando prejuízos nos equipamentos”, explicou o biólogo Diogo Souza.

Preservação

Instituições de pesquisas vêm  desenvolvendo projetos científicos visando a preservação dessas espécies. É o caso do Centro de Preservação e Pesquisa de Mamíferos Aquáticos (CPPMA), da Eletrobrás Amazonas Energia, localizado na Usina Hidrelétrica de Balbina, e a AMPA,  organização não governamental  vinculado ao  Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (INPA),  criada  para fortalecer  e aprofundar os estudos sobre esses animais, aumentando, assim,  a população dessas espécies.

“Uma Ong tem mais contato com a população e  a ampa surgiu exatamente para fortalecer as pesquisas e o trabalho de educação ambiental na região”, ressaltou o pesquisador Diogo Souza.

Atualmente, as duas instituições juntas abrigam mais de 100 animais que na maioria das vezes foram resgatados muito debilitados. Só no CPPMA existem  15 tanques, que abrigam 50 peixes-boi, para tratar  e ajudar a reabilitar estes animais, afim de  que em um futuro próximo, eles possam ser devolvidos ao seu ambiente natural.

Cativeiros

Segundo o André Franzini, biólogo do Centro, o próximo passo é construir cativeiros em ambientes naturais e fazer o monitoramento, para saber de que maneira esses animais vão se readaptar ao meio ambiente.

“É o  que nós chamamos de semicativeiro. Construímos uma barragem no lago, mas o animal vai conseguir viver no ambiente natural e se alimentar sozinho, só que com o nosso acompanhamento e controle. Aí sim, quando ele estiver pronto poderemos ser soltá-lo  na natureza”.

No Inpa, outros 50 animais são acompanhados pelos pesquisadores da instituição. Ao longo de 30 anos de pesquisas com os mamíferos aquáticos, nos últimos dez anos, a instituição já conseguiu realizar a soltura de quatro peixes-boi.

 Evento 

No último domingo, pesquisadores do CPPMA e AMPA, jornalistas e estudantes de comunicação social se reuniram no auditório da Hidrelétrica de Balbina para debater sobre a preservação dos mamíferos aquáticos, bem como falar da importância da comunicação para sensibilizar a população a não incentivar a caça ilegal dos peixes-boi.

De acordo com o biólogo da AMPA, Diogo Souza, hoje já é possível ver o aumento da população dessas espécies  porque as  pessoas estão criando mais consciência ambiental.  

“As gerações de hoje  preferem não caçar mais o animal  porque  demanda muito  tempo. Além disso, percebemos a influência da mídia na conscientização da preservação das espécies”, acredita.

Já para Franzini, o trabalho de educação ambiental realizado junto à comunidade também é um dos principais fatores a influenciarem na diminuição da mortalidade desses animais.

“Fazemos isso através de palestras para que eles criem essa consciência de proteger o peixe-boi. O CPPMA trabalha com a reabilitação desses animais, e o nosso objetivo é realizar um trabalho para evitar que as pessoas continuem  matando os peixes-boi”, disse.

“É muito difícil mudar o pensamento dos mais velhos. Por isso nós focamos as atividades de educação ambiental nas crianças, porque elas estão em formação e são o nosso futuro”, completou.

A sexta edição do  Consciência, organizado pelo Inpa,  reuniu aproximadamente 30 pessoas. Entre elas, o estudante da Ufam, Diego Cativo, afirma que a discussão foi proveitosa. “Eu não conhecia muito o peixe-boi  e vendo os trabalhos realizados aqui, pude conhecer mais sobre a espécie ter mais consciência acerca da preservação desses animais. O debate foi muito interessante”, garante.

Já o estudante Ruan Matheus, aponta para a necessidade se fazer uma comunicação mais simplificada, onde a informação possa atingir todas as classes sociais. “Muitos textos científicos são carregados e  acabam se tornando  uma leitura chata. E nesse encontro eu pude aprender que é possível escrever um texto mais acessível, de modo que todos possam entender”,  afirmou.  

 Curiosidades

O peixe-boi pode viver até 60 anos e sua reprodução começa a partir dos 10 anos de vida. A gestação dura 12 meses e a mãe dá a luz a apenas um filhote a cada três anos. O período de amamentação acontece durantes dois anos.

Esses animais podem chegar a medir 3 metros de comprimento, chegando a pesar 500 kg. Um animal adulto pode ficar até 30 minutos sem subir para a superfície para respirar, enquanto que os  bebês sobem com mais frequência. Quando o assunto é alimentação, um adulto pode comer até 25 kg de plantas por dia.

Uma das principais formas da sua comercialização é através da  mixira, uma mistura da carne com a gordura do animal que pode conservá-la por até seis meses. Antigamente, o couro do peixe-boi era usado para  a fabricação de cola e correias de maquinários, como as de teares e veículos de locomoção. A caça do peixe-boi é proibida pela lei 1.957/67.

De 2010 para 2011 só o INPA realizou o resgate de 26 espécies. Atualmente a instituição possui 18 peixes-boi adultos, 19 jovens e 13 filhotes. Tanto nos tanques do INPA quanto nos tanques do CPPMA, os machos e as fêmeas são mantidos separados porque  espaço é  insuficiente para todos. “Recebemos muitos animais, por isso temos que separá-los  para manter o controle”, comenta Diogo.