Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Petrobras investiu mais de R$ 110 milhões em projetos de preservação na Amazônia

Em seis anos, a companhia investiu R$ 110,8 milhões em 124 projetos ambientais e sociais na Amazônia

O Projeto Aquavert, do Instituto Mamirauá, tem como objetivo a conservação e o monitoramento de espécies nativas ameaçadas de extinção

O Projeto Aquavert, do Instituto Mamirauá, tem como objetivo a conservação e o monitoramento de espécies nativas ameaçadas de extinção (Arquivo AC)

Patrocinadora de 124 projetos sociais e ambientais no bioma amazônico, a Petrobras comemora o Dia Internacional da Biodiversidade, no dia 29 de dezembro, com resultados expressivos na região com a maior biodiversidade do planeta. Em seis anos, a companhia investiu R$ 1,9 bilhão em projetos ambientais e sociais em todo o país, sendo R$ 110,8 milhões em 124 iniciativas na Amazônia.

No período, estas iniciativas promoveram a proteção de 28 espécies de animais nativos. Além disso, beneficiaram mais de 110 mil pessoas, em atividades de educação ambiental e geração de renda. Os projetos Conservação de Vertebrados Aquáticos Amazônicos (Aquavert), Pacto das Águas e Encauchados Vegetais da Amazônia estão entre os destaques. 

O Projeto Aquavert, do Instituto Mamirauá, tem como objetivo a conservação e o monitoramento de espécies nativas ameaçadas de extinção, nas Reservas Mamirauá e Amanã, na região do Médio Solimões, no Amazonas, somando uma área de mais de três milhões de hectares. A iniciativa conta com patrocínio da Petrobras desde sua criação, em 2010, e seu trabalho nas áreas de proteção garantiu o nascimento de aproximadamente 42 mil filhotes de quelônios e o monitoramento de mil tartarugas-da-amazônia, espécie mais ameaçada da região. Além disto, pesquisadores marcaram e monitoraram 40 fêmeas de jacaré-açu e reabilitaram dez filhotes de peixes-boi amazônicos, sendo que três deles serão devolvidos à natureza ano que vem.

Em uma expedição no Rio Purus, eles avistaram 1640 golfinhos da espécie tucuxi e 528 botos vermelhos, descobrindo que este é um dos principais pontos de concentração de golfinhos na América do Sul. Ao todo, o projeto envolveu 6 mil pessoas em atividades de educação ambiental, pesquisa e tratamento de animais. 

Já os projetos Pacto das Águas e Encauchados Vegetais da Amazônia, patrocinados pela Petrobras desde seu início, em 2007 e 2009, respectivamente, têm a floresta como foco de suas atividades, preservando, juntos, uma área de cerca de 2,3 milhões hectares. Neste ano, o Pacto das Águas conseguiu ampliar a área protegida de 800 mil hectares para 1,9 milhão de hectares, abrangendo a região amazônica localizada entre o noroeste do Mato Grosso e o sudeste de Rondônia e beneficiando uma população de 3 mil pessoas.

Ele conta com a participação de povos indígenas e seringueiros que, de 2007 a 2012, realizaram o plantio de 1,2 milhão mudas de espécies  nativas, como açaí, pupunha, castanheira e cerejeira, e a produção de 90 toneladas de borracha e de cerca de 1,5 milhão de quilos de castanha do Brasil, que gerou R$ 4,8 milhões para os povos da floresta.  

Desde 2009, o Projeto Encauchados Vegetais da Amazônia já beneficiou mais de 1.500 pessoas, em 17 municípios do Acre, Amazonas, Pará e Rondônia. Povos indígenas, seringueiros, ribeirinhos, quilombolas e agricultores familiares que participam da iniciativa desenvolveram, em parceria com pesquisadores da Insituição Polo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais, que realiza o projeto, uma tecnologia simples e de baixo custo que utiliza o látex extraído de seringueiras nativas misturado a fibras vegetais, tais como caroço e fibra do açaí, pó de madeira e ouriço da castanha, para a produção de artesanatos, conhecidos como encauchados. Os artigos são vendidos em feiras regionais e no exterior.

Com produção anual de 10 mil litros de látex de seringueiras nativas, já foram produzidos 100 mil peças artesanais desde o início do projeto.  Por meio da iniciativa, foi possível aumentar em 60% a geração de renda dos produtores e proteger uma área que hoje totaliza aproximadamente 370 mil hectares. 

Novos projetos

A cada dois anos, a Petrobras realiza seleção pública de projetos, como forma de democratizar o acesso aos recursos e garantir a transparência do processo de patrocínio, o que incentiva o surgimento de novas iniciativas, como a da Associação Vida Verde da Amazônia, no município de Silves, a 200 quilômetros de Manaus. Selecionada pela companhia em 2012, ela capacita 133 mulheres de comunidades locais para a extração e produção sustentável de óleos vegetais e cosméticos naturais, com a meta de plantio de 3 mil mudas nativas para a reposição florestal na região. 

Em novembro de 2013, foi lançado o novo Programa Petrobras Socioambiental, que reunirá projetos sociais, ambientais e socioesportivos, com investimento de R$ 1,5 bilhão, entre 2014 e 2018.

*Com informações da assessoria de imprensa da Petrobras