Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Manaus vai ganhar mirante de 42 metros em jardim botânico

Torre de observação construída no meio da reserva florestal Adolpho Ducke será a primeira na cidade aberta à visitação

A torre, que servirá tanto para visitantes como pesquisadores, possui 242 degraus e comporta até 20 pessoas no topo

A torre, que servirá tanto para visitantes como pesquisadores, possui 242 degraus e comporta até 20 pessoas no topo (Lucas Silva)

Uma torre de 42 metros foi montada no meio da reserva florestal Adolpho Ducke, localizada no bairro Cidade de Deus, Zona Leste, para que os amantes da natureza contemplem as maravilhas da biodiversidade do alto. Segundo o professor de física e diretor do Museu da Amazônia (Musa), Ennio Candotti, o objetivo da construção da torre é ressaltar a importância de preservar a Amazônia.


Além disso, o diretor acredita que a observação na torre vai ajudar a despertar nos jovens a vontade de estudar o meio ambiente. “A Amazônia precisa de muitas pessoas para trabalhar em prol da preservação e, principalmente, defender a área da agressão dos que desprezam sua importância por não saber seu valor”, declarou Candotti.

Com 100 mil metros quadrados, a Reserva Adolpho Ducke é a floresta mais extensa na zona urbana.  Para o diretor do Musa, a “grande maravilha” dessa observação do alto é ver o contraste do crescimento da cidade e perceber que, mesmo com o avanço, a  reserva continua intocada.  “Considero isso aqui uma homenagem à floresta”. 

Diretor do Mussa, Ennio Candotti

De acordo com diretor adjunto operacional do Musa, Roberto Moraes, durante a construção da torre foi possível ver um pouco do que os visitantes poderão encontrar quando a visitação iniciar: uma  preguiça no alto da árvore e um lagarto que vive  até 35 metros acima do solo.

O material utilizado na montagem da torre veio de Cuiabá, no Mato Grosso. Além de servir como espaço para contemplar a natureza, o monumento será utilizado por pesquisadores para a realização de estudos sobre o microclima. O topo da torre poderá abrigar 20 pessoas ao mesmo tempo.

Sem data certa

A inauguração da torre deve acontecer em breve, mas Ennio Candotti diz que o Museu já está preparando um projeto para que os visitantes, além de contemplar a natureza, possam utilizar o celular para ter informações sobre as espécies da flora local, por meio de um código colocado em cada árvore.

Outro projeto do Museu da Amazônia é inaugurar uma sala para mostrar as pequenas espécies em grandes dimensões, como uma aranha. Segundo Candotti, o conhecimento vai permitir que as pessoas adquiram o senso de preservação.