Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Número de famílias despejadas na Amazônia cresceu 76% em 2013

No ano passado, cerca de 3,1 mil foram despejadas de suas terras por conta de intervenções do governo ou atividades de exploração ilegal, segundo a  Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Comunidade rural em São Sebastião do Uatumã, próximo à Hidrelétrica de Balbina, no Amazonas

Comunidade rural em São Sebastião do Uatumã, próximo à Hidrelétrica de Balbina, no Amazonas (Arquivo A CRÍTICA)

O número de famílias que sofreram despejo na Amazônia pela construção de barragens e usinas hidrelétricas, pela mineração, pela grilagem de terra, pela extração de madeira e pela lavoura de monoculturas aumentou 76% em 2013. Em 2012, foram cerca de 1,7 mil casos de despejo; no ano passado, cerca de 3,1 mil. Os dados são do relatório Conflitos no Campo 2013 divulgado hoje (28) pela Comissão Pastoral da Terra (CPT).

"Diferentemente do restante do Brasil, onde o número de famílias expulsas diminuiu em relação a 2012, na Amazônia, ocorreu o inverso: o número de famílias expulsas cresceu em 11%, passaram de 472 para 525; e o de famílias despejadas, em 76%", informou o documento.

No Acre, por exemplo, o número de casas destruídas aumentou 1.038% - de 26, em 2012, para 296, em 2013. O maior número de famílias despejadas de casa em 2013 foi registrado na Região Norte, com 2.323, seguida pela Região Nordeste, com 1.769. No total, foram mais de 6,3 mil famílias despejadas.