Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Campanha na Internet faz apelo contra a matança de botos na Amazônia

Anualmente, 2,5 mil botos são mortos em municípios do AM e Estados vizinhos. Segundo a chefe do Laboratório de Mamíferos Aquáticos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), Vera da Silva, o problema chegou ao limite  

Conforme o Inpa, 2,5 mil botos são mortos no Amazonas e estados vizinhos para servir de isca na pesca da piracatinga

Conforme o Inpa, 2,5 mil botos são mortos no Amazonas e estados vizinhos para servir de isca na pesca da piracatinga (Edmar Barros)

Há quase dez anos a matança de botos tucuxi e vermelho tem sido evidenciada por A CRITICA alertando, por meio de denúncias de protetores do mamífero, a redução drástica da espécie, que pode ser extinta em poucos anos. Mais uma vez, a matança dos botos chamou atenção do País, ao aparecer no noticiário nacional, e provou que o problema chegou ao limite, segundo afirmou a chefe do Laboratório de Mamíferos Aquáticos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), Vera da Silva.

Anualmente, 2,5 mil botos são mortos em municípios do Amazonas e Estados vizinhos para servir de isca na pesca da piracatinga (Calophysus macropterus), peixe também conhecido no Estado como urubu d’água. A piracatinga é carniceira e é atraída, principalmente, pelo cheiro da carne de boto.

Além de matar e usar os botos como isca, os pescadores enganam os consumidores vendendo a piracatinga com o nome de “douradinha”, muito comum nas feiras e mercado de Manaus.

Para tentar combater a caça e matança dos botos, o Inpa e a Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa) lançaram, no domingo, a campanha Alerta Vermelho, na Internet. A campanha tem apoio do Ministério Público Federal e pessoas de todos os países podem ajudar na proteção do mamífero assinando uma petição, no site no site www.alertavermelho.org.br ou doando R$ 100 para a campanha.

O documento tem o intuito de antecipar a suspensão da pesca da piracatinga por cinco anos, na região Amazônica. Na última sexta-feira, uma moratória foi publicada em uma edição extraordinária do Diário Oficial da União (DOU) estabelecendo que, a partir de 1º de janeiro, a pesca e o comércio da piracatinga ficarão proibidos no País. As instituições de proteção aos botos querem antecipar a proibição, visto que, até 2015, mais de mil botos podem ser mortos.

De acordo com a Ampa, há registros que até 20 botos são mortos em uma única expedição de caça. O problema é grave, conforme a Ampa, uma vez, que o consumo da piracatinga tem aumentado não apenas no Brasil, mas também na Colômbia, que faz fronteira com o Amazonas, em Tabatinga, a 1.105 quilômetros de Manaus.

Modus operandi

De acordo com especialistas, os pescadores poderiam usar gordura animal, como a de porco, na pesca da piracatinga. No entanto, preferem matar os botos porque são dóceis, o que facilita a abordagem e matança, e oferecem grande quantidade de carne.

Os pescadores recorreram à piracatinga, principalmente, na época do defeso, quando outras espécies de peixes estão protegidas. Eles caçam os botos à noite e os atingem com um arpão, uma espécie de lança. O boto precisa subir à superfície para respirar e os pescadores pressionam o arpão empurrando o boto para o fundo do rio até ele se afogar e morrer.