Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Destruição na Área de Preservação Ambiental do Águas Claras segue acelerada no AM

Invasores desafiam o poder público e continuam derrubando mata ciliar e poluindo igarapé em Área de Preservação Permanente

Nas margens da nascente de igarapé, buritizal foi derrubado recentemente

Nas margens da nascente de igarapé, buritizal foi derrubado recentemente (Evandro Seixas)

O desmatamento na Área de Preservação Ambiental (APP) localizada no loteamento Águas Claras, na Zona Norte, continua crescendo mesmo após a fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmas) que na semana passada demoliu 50 ocupações ilegais. Segundo os moradores que residiam no local há quatro anos mesmo com a visita dos técnicos da Semmas os invasores continuam derrubando árvores e construindo barracos.

Próximo a uma rua identificada pelos moradores como NSD8 a nascente de um igarapé está completamente poluída, com garrafas pets e restos de construções. Além disso, boa parte das árvores de buriti e açaí foram derrubadas para dar espaço aos barracos. De acordo com a dona de casa Maria Inês de Almeida, 34, os macacos, preguiças e outros animais que viviam na mata, agora procuram lugar para se esconder. “Os macacos que se alimentavam de açaí, buriti agora não tem mais nada porque eles acabaram com tudo e os animais correm para onde podem para conseguir comida”, disse a dona de casa.

Ainda de acordo com Maria Inês desde que foi morar no loteamento nunca tirou nada da APP porque considera que o local deve ser preservado para o próprio bem da comunidade. “Moro aqui há quatro anos e sei que para o bem de todos é melhor preservar porque vivemos melhor”, acrescentou a dona de casa.

Um dos invasores que preferiu não se identificar reconhece que não é correto invadir, mas conta que fez isso para sair do aluguel. “Vim para cá com a minha esposa e meus dois filhos porque o salário só dava pra pagar o aluguel e a situação estava muito difícil”, disse o invasor.

O invasor acrescentou que se o Estado estipular um valor mensal a ser pago pelo lote todos vão aceitar porque ninguém gosta de viver com medo e principalmente sem saber se vai ou não precisar sair da área.

Na invasão do loteamento Parque das Garças também na mesma APP cerca de 20 famílias estão instaladas há três meses e o cenário de devastação é o mesmo, árvores derrubadas, barracos construídos e lixo espalhados próximo a córregos.

Enquanto as invasões continuam crescendo sem que haja qualquer controle as obras de urbanização seguem sendo realizadas, com máquinas asfaltando as principais ruas do loteamento.