Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Tecnologia: Fundação Oswaldo Cruz lança Centro de Informação em Saúde Silvestre

O centro tem como objetivos contribuir com informação antecipada da ocorrência da circulação de doenças em animais silvestres antes que acometam humanos

O projeto pretende, inclusive, estimular e apoiar o fortalecimento da capacidade instalada no Brasil para o diagnóstico em saúde silvestre

O projeto pretende, inclusive, estimular e apoiar o fortalecimento da capacidade instalada no Brasil para o diagnóstico em saúde silvestre (J. Renato Queiroz)

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançou um novo serviço chamado Centro de Informação em Saúde Silvestre (CISS). Trata-se de um espaço virtual de construção contínua a serviço da consolidação do conhecimento, ações e políticas que, em conjunto, podem fortalecer a conservação da biodiversidade brasileira, a melhoria da saúde humana e de todas as espécies, além de apresentar boas práticas para o desenvolvimento sustentável.

O centro tem como objetivos coordenar o Sistema de Informação em Saúde Silvestre, contribuindo com informação antecipada da ocorrência da circulação de doenças em animais silvestres antes que acometam humanos; construir, com a contribuição de especialistas e da sociedade, a consolidação, a divulgação e a disponibilização do conhecimento existente em diversas áreas, que relacionam a saúde silvestre à humana.

Visa, também, promover a participação e a integração de especialistas, setores governamentais e privados e da sociedade na coleta de informações, análise de resultados e aplicação de boas práticas em biodiversidade e saúde, por meio da Rede de Laboratórios em Saúde Silvestre e da Rede Participativa em Saúde Silvestre; fortalecer o estímulo e o apoio à pesquisa e inovação tecnológica, especialmente as que tratam das relações ecológicas complexas entre hospedeiros, parasitas e ecossistemas, mudanças ambientais e climáticas, do desenvolvimento de modelos de alerta e previsão de oportunidades ecológicas para emergência de doenças e das áreas com lacunas de conhecimento.

O projeto pretende, inclusive, estimular e apoiar o fortalecimento da capacidade instalada no Brasil para o diagnóstico em saúde silvestre; e ampliar o entendimento de tomadores de decisão e da sociedade sobre a importância e os riscos da perda da biodiversidade sobre a saúde. Espera-se, dessa forma, que o CISS contribua com o sistema nacional de vigilância em saúde e com os planos de ação de espécies, unidades e áreas prioritárias de conservação, de modo a avançar na implantação de novas práticas para o desenvolvimento sustentável que garantam a saúde humana, da fauna e da flora brasileira.

Ozônio

O Ministério do Meio Ambiente também anunciou que novas medidas de proteção da camada de ozônio entrarão em nova etapa. Já está em construção a segunda etapa do Programa Brasileiro de Eliminação dos Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs), substâncias nocivas à concentração de gases que protegem o planeta dos raios ultravioletas.

Todos os setores produtivos e comerciais envolvidos com a questão foram chamados. Atualmente, os HCFCs são usados em segmentos como a manufatura de equipamentos de refrigeração e ar condicionado e a produção de espumas para cadeiras e colchões.