Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Indígenas prometem vingar morte de professor assassinado por adolescentes no AM

Assassinato do professor Madija Kulina, por seis adolescentes, causou revolta entre os índios da etnia Kulina, que ameaçam invadir a cidade de Juruá

Crime chocou moradores da cidade de Juruá, que revelam ser comum as brigas entre jovens por conta do alcoolismo

Crime chocou moradores da cidade de Juruá, que revelam ser comum as brigas entre jovens por conta do alcoolismo (Arquivo/AC)

Índios da etnia Kulina ameaçam vingar a morte do professor Madija Kulina, assassinado a facadas em um campo de futebol na cidade de Juruá (a 674 quilômetros de Manaus). O professor foi morto por seis adolescentes, sendo um de 17 anos de idade, um de 14, três de 13 e um de 7, segundo informou nesta quarta-feira (27) o delegado da cidade Daniel Trindade.

Os adolescentes estão apreendidos, mas a população teme que a cidade seja invadida pelos índios que moram em uma comunidade na zona rural. A ameaça de invasão foi confirmada pelo líder da comunidade identificado como Tomé da Silva Madija Kulina.

“Estão falando em vingança e nós estamos com medo que isso aconteça”, disse Tomé por telefone. Segundo o líder, no entanto, acontecem com frequência mortes entre os indígenas por desentendimentos após o consumo de bebida alcoólica. Ele revelou ter sido a vítima quem comprou a cachaça consumida pelos adolescentes. “Ele comprou cinco litros de cachaça e quando acabou começaram a brigar”, revelou Tomé.

Violentos

O delegado informou que os adolescentes são indígenas, bastante “brabos” e que por qualquer motivo estão se envolvendo com briga. Ainda segundo ele, até o final da tarde de ontem, o corpo do índio Kulina ainda não tinha sido localizado. Madija Kaulina foi assassinado no início da noite da última segunda-feira, 25. Ele era professor e, segundo o delegado, o crime chamou a atenção da população pelo requinte de crueldade usado pelos meninos. Os garotos usaram quatro facas e aplicaram vários golpes na vítima e depois a degolaram e jogaram o corpo no rio Juruá.

Segundo as investigações, o crime foi motivado por vingança. Por volta das 18h, o professor passava pelo um campo de peladas conhecido como “campo do Lito”, localizado no bairro Tancredo Neves 2, na cidade do Juruá, onde os meninos estavam bebendo cachaça. Após repreender os meninos, tentando tomar os litros da bebida, causou revolta entre eles, que reagiram de forma violenta, matando o professor.