Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Longevidade do homem amazônico é tema de conferência realizada em Paris

Médico Euler Ribeiro apresentou na famosa Universidade de Sorbonne, na França, conferência sobre envelhecimento do homem da Amazônia

Na Sorbonne Euler apresentou as vantagens de comer jaraqui, um peixe que tem mais ômega 3 que o famoso salmão

Na Sorbonne Euler apresentou as vantagens de comer jaraqui, um peixe que tem mais ômega 3 que o famoso salmão (Odair Leal/Arquivo/AC )

A longevidade do homem amazônico, que em alguns locais como no Município de Maués (a 293 quilômetros de Manaus) tem índice superior ao mundial, foi o tema da conferência proferida pelo médico gerontologista Euler Ribeiro, na Universidade de Sorbonne, na França.

Diante de mais de cem catedráticos daquela que é uma das mais antigas universidades do mundo, Euler relatou fatos e hábitos da vida na região que contribuem para esse quadro que tem despertado a atenção dos estudiosos em vários continentes.

Convidado pela Sociedade Francesa da História da Medicina para falar sobre o envelhecimento do homem na floresta Amazônica, Euler destacou que as atividades na zona rural, levando o homem a fazer esforços continuados como o ato de remar, cuidar da agricultura, assim como o hábito de dormir pelo menos dez horas ao dia, sem ter que enfrentar o estresse da vida da cidade são importantes nesse quadro.

Guaraná

“Além disso, falei da dieta amazônica, que oferece peixes como o jaraqui cujo teor de ômega 3 é maior que o do salmão e o guaraná em pó, antioxidante melhor que o vinho e chá verde, capaz de proteger contra o diabetes, câncer e aumentar a força muscular”, revelou o especialista, que em Manaus dirige a Universidade da Terceira Idade (UnAti), ligada à Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

A floresta dá ainda frutos tão saborosos quanto nutritivos, como a castanha, rica em selênio, não produzido pelo corpo, por isso tem que ser ingerido e a mandioca, sem glúten e sem as contra-indicações do trigo, além do camu-camu, grande antioxidante rico em Vitamina C, explicou Euler, para assegurar que uma dieta composta por frutas e peixes regionais, aliada aos exercícios praticados nas atividades do dia a dia e as horas de sono são a receita ideal para quem quer ter vida longa.

“A geriatria e gerontologia são áreas da saúde relativamente novas, em comparação com outras especialidades médicas. Isto porque, foram impulsionadas por mudanças demográficas que estão cada vez mais, aumentando o número de idosos na população de países desenvolvidos e em desenvolvimento. O Brasil não foge à regra”, disse ele, durante a palestra.

Ao falar da expectativa de vida demonstrada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontando que no Brasil do ano de 2050, pelo menos 30% da população terá no mínimo 60 anos e a expectativa de vida será de 80 anos, o médico disse ser importante considerar a trajetória do envelhecimento da população como reflexo não só da melhoria da qualidade de vida, mas também da assistência à saúde e a abertura de espaços para os idosos como a UnAti, existente em vários estados brasileiros.