Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

  • EM DESTAQUE

5 comentarios | 19 de Maio de 2014

A Conseqüência do Legado

Crônica das terças-feiras do Caderno Bem Viver!

Assistiremos à Copa como espectadores, não como participantes!

Assistiremos à Copa como espectadores, não como participantes! (Orlando Câmara)

Quando penso na Copa do Mundo no Brasil sou aturdido por sentimento bipolares! Há sete anos, quando anunciaram que seríamos a sede do evento, celebrei, por que sabia das possibilidades! O Brasil visível na mídia, como destino turístico internacional; cidades revitalizadas em seus equipamentos e serviços; grandes investimentos urbanos... um legado que não seria possível sem o advento como justificativa.

Às vésperas da competição, só consigo sentir decepção e raiva. Jogamos fora a maioria das boas possibilidades. O país passa por uma grande exposição internacional. Desfavorável! E me recuso a acreditar que esperávamos nos contentar tão somente, como herança, com obras inacabadas de estádios de futebol e de aeroportos!

As soluções à mobilidade urbana? A revitalização das cidades? É tudo tão ridículo que já cheguei a ver listado como legado da Copa o “Luz para Todos”! Fomos incapazes. Fracassamos. É doloroso admitir. Estamos a 23 dias do começo das partidas e, Itaquera, bairro onde será a abertura, é a região com maior índice de roubos e furtos de veículos em São Paulo.

As cenas das últimas semanas mostram todo o rancor que o tema provoca. Saques, depredações, violência espontânea. E a violência é tão irracional e contagiante quanto o desejo. É assustador. Os protestos são necessários – são a expressão de nossos sentimentos. Mas a condução é duvidosa!

O Golpe Militar se utilizou da Copa, nos anos 70, como instrumento de alienação. Isso agora pode se repetir! Estamos num país democrático. Lançar mão dessas táticas de guerrilha urbana, para gerar um sentimento de vulnerabilidade, pode ser estrategicamente favorável à tomada de medidas não democráticas. A quem isso interessa? A quem quer mudar o status do poder? Ou a quem quer se perpetuar nele?

Tenho me perguntado: quem são essas pessoas que, em meio a um movimento pacífico, atacam agências bancárias, prédios públicos e põe em risco o coletivo dos manifestantes? Que elas não são a maioria, todos sabemos. Mas qual o objetivo delas? E de quem estão a serviço? Protestar é cidadão e legítimo! Mas é preciso ser estratégico. O que não dá é para servir de inocente útil! A Copa não pode transformar a história inteira de um país! O que ela pode é mudar os rumos da eleição!

sobre este blog

Blog do Orlando

Sexta cidade mais rica da sétima economia mundial, Manaus, que já ostentou o título de "Paris dos Trópicos", se vê a braços com os problemas de uma grande cidade. Hoje, mais para "Bagdá Equatorial", ela procura soluções para suas questões urbanas, sejam físicas, sejam de propostas de futuro. Estamos nela, falaremos dela!

calendario de entradas

<Anterior Próximo>
julho 2014
S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31