Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

  • EM DESTAQUE

3 comentarios | 14 de Abril de 2014

Notícias Populares

Crônica das terças-feiras do Caderno Bem Viver

A notícia que circula, mas não sai na mídia...

A notícia que circula, mas não sai na mídia...

Entrei no taxi em frente ao shopping. Informei o destino e perguntei se o motorista tinha troco. Ele me disse que não, que o tinha até o dia anterior, quando foi assaltado. Naquela mesma porta, um cidadão bem vestido, de boa aparência, falando um bom português, entrou em seu carro e foi até um bairro próximo, de classe média. Chegando lá, no final da rua, ele anunciou o assalto. No escuro, um comparsa o esperava. O amarraram e o ameaçaram de morte! Até que ele entregou R$ 3 mil, o valor da prestação do carro e da placa, economias feitas ao longo do mês. Vivo, por um triz, ele estava ali para contar a história.

No dia seguinte, pego outro taxi – sim, não dirijo – cedo, em direção ao trabalho. A taxista fala de violência, espontaneamente, olhando um daqueles tabloides que custam menos de R$ 1, jogado sobre o painel do carro. E me conta que seu filho, de quatorze anos, foi assaltado pela segunda vez, em uma parada de ônibus. Levaram seu celular. A primeira vez foi na parada do Colégio Militar, lotada. O cidadão mostrou a arma ao seu filho e a um coleguinha. Ninguém fez nada. Com medo, o menino decidiu mudar de ponto de ônibus, para outro na Leonardo Malcher, em frente ao Sebrae. Aconteceu, novamente, havia poucos dias, exatamente do mesmo jeito, com a parada repleta de pessoas.

Comento com ela o episódio narrado pelo taxista do dia anterior e ela me fala de outras três ocorrências, envolvendo assaltos a taxis, naquela mesma semana. E com detalhes. E ainda diz: “grande parte do que acontece, seu Orlando, ninguém fica sabendo, só o cidadão que é vítima”. Chego ao trabalho, entro no elevador e percebo a ascensorista triste. Perguntou o que foi e ela me diz que assaltaram seu filho adolescente. Ao final do dia, volto pra casa calado, evitando muita conversa com o condutor do carro. Taxistas são sempre bem informados, sabem de tudo que está se passando. E a julgar pelo que ouvi nos últimos dias, as notícias não são as mais agradáveis. Como diz a canção do Chico, “a dor da gente não sai no jornal”!

sobre este blog

Blog do Orlando

Sexta cidade mais rica da sétima economia mundial, Manaus, que já ostentou o título de "Paris dos Trópicos", se vê a braços com os problemas de uma grande cidade. Hoje, mais para "Bagdá Equatorial", ela procura soluções para suas questões urbanas, sejam físicas, sejam de propostas de futuro. Estamos nela, falaremos dela!

calendario de entradas

<Anterior Próximo>
agosto 2014
S T Q Q S S D
1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31