Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Talento internacional, Rodrigo Santoro fala sobre sua carreira em entrevista

O ator brasileiro conta como foi participar da animação “Rio 2” e do novo projeto para Hollywood, o drama “The 33”

Rodrigo Santoro faz parte do elenco da animação  "Rio 2"

Rodrigo Santoro faz parte do elenco da animação "Rio 2" (Reprodução/Internet)

A população brasileira tem orgulho do trabalho de Rodrigo Santoro ser conhecido internacionalmente. Ator brasileiro com maior destaque em Hollywood, ele está atualmente na telona com o longa-metragem “300: A ascensão do império” e a animação “Rio 2”, onde dubla o atrapalhado ornitólogo Túlio. Durante a coletiva de imprensa de “Rio 2”, na última segunda-feira, o astro falou de seu novo projeto para o cinema e sobre a divertida missão de dublar.

Recém chegado do Deserto do Atacama, no norte do Chile, Santoro falou diversas vezes durante a coletiva que estava cansado, porém muito realizado com o trabalho que acabara de gravar: o drama “The 33” –superprodução de US$ 27 milhões do estúdio americano Twentieth Century Fox. Gravado parte na Colômbia e parte na pequena cidade de Copiapó (Chile), o filme contará a história dos 33 mineiros que em 2010 permaneceram 70 dias a quase 700 metros de profundidade em uma jazida do norte do Chile.

“Acabei de chegar. Não pude participar do lançamento do ‘300’ porque estava no deserto. Estava lá desde o início de fevereiro”, disse o artista. No novo longa-metragem, com previsão de ser lançado durante o Festival de Cannes de 2015, Santoro divide cena com o espanhol Antonio Banderas e a francesa Juliette Binoche.

Animação

Sobre “Rio 2”, lançado nesta semana, o carioca informou ter se divertido bastante dando vida a personagem Túlio. Ao ser questionado se está mais para Xerxes, imperador persa que interpreta em “300”, ou para o ornitólogo, ele respondeu: “Para Túlio. A paixão dele pelos animais, sua espécie de inocência, são coisas que acho bonito. Me identifico com ele, tem muita poesia, uma forma desengonçada, desastrada. Acho bonito também o seu jeito de acreditar conversar com os pássaros. Essa pureza é algo que deve ser preservada principalmente no mundo que a gente vive”.

Em breve novidades

O ator está com novos projetos para analisar, mas ainda não pôde adiantar muita coisa.

“O futuro ainda não sei, não tenho nada oficial para declarar. Tenho algumas ideias no ar, alguns projetos, bastante coisa, mas não sei exatamente o que vai ser. São coisas aqui (Brasil) e fora também. Essa é uma parte da natureza, da dinâmica, da vida dos artistas. Estamos sempre flutuando, vendo o que vai acontecer. Não tenho uma agenda pré-definida. Vou conforme o fluxo das coisas. Os próprios projetos têm suas dinâmicas, vão acontecendo, às vezes atrasa ou se cancela. Em homenagem aos músicos presentes (Carlinhos Brown e Sérgio Mendes), eu digo: ‘Vou tocando de ouvido, pouco a pouco’”.

Hollywood

Após protagonizar “Bicho de sete cabeças”, um dos filmes nacionais que o projetaram lá fora, junto com “Abril despedaçado” e “Carandiru”, Santoro decidiu surfar um mês na Califórnia e fazer um curso intensivo de inglês. Até que surgiu um convite para atuar em um telefilme. Depois veio a participação em “As panteras” e “Simplesmente amor” (ambos em 2003).

Pouco antes

Antes de atuar no longa “The 33” sobre os trabalhadores chilenos, Rodrigo Santoro participou da comédia “Focus”, em que contracena com Will Smith, de uma biografia internacional de Pelé, do faroeste “Jane Got a Gun”, com Natalie Portman, dublou a personagem Túlio na animação “Rio 2” e ainda atuou em um dos episódios da franquia “Cities of Love - O Rio, eu te amo”.