Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Viúva processa Porsche por acidente que matou ator Paul Walker

A morte de Walker aos 40 anos forçou uma interrupção na produção de “Velozes e Furiosos 7”, a bem-sucedida franquia sobre rachas que ajudou a popularizar a sua carreira

Paul Walker

Paul Walker (Divulgação)

Defeitos no desenho de um carro esportivo da Porsche causaram o acidente que matou o ator Paul Walker, disse a viúva do motorista do carro em um processo contra a montadora, alegando negligência e homicídio culposo entre outras acusações.

Kristine Rodas afirma na ação apresentada na Suprema Corte de Los Angeles na segunda-feira que uma falha na suspensão do Porsche Carrera GT de 2005 levou seu falecido marido, Roger Rodas, a perder o controle do veículo, que se chocou contra árvores e um poste, matando Walker e Rodas em novembro.

A morte de Walker aos 40 anos forçou uma interrupção na produção de “Velozes e Furiosos 7”, a bem-sucedida franquia sobre rachas que ajudou a popularizar a sua carreira.

O advogado de Rodas, citando inspeções de especialistas do acidente, diz no processo que Roger, um piloto de corrida experiente, viajava a 89 quilômetros por hora em uma rua de Santa Clarita, na Califórnia, no momento da colisão, abaixo da velocidade alegada pelos investigadores do xerife do condado de Los Angeles.

As autoridades declararam que o acidente foi causado por excesso de velocidade, e não falha mecânica. A investigação descobriu que Rodas atingiu entre 129 e 150 quilômetros por hora, o que o fez perder o controle do carro em uma área onde o limite era de 72 quilômetros por hora.

A ação pede uma quantia não especificada por danos da Porsche Cars North America, que é de propriedade da Volkswagen.

“Lamentamos muito pela perda das famílias Rodas e Walker”, disse o porta-voz da empresa, Nick Twork. “A colisão foi sujeita a uma investigação detalhada das autoridades competentes... e a investigação deles desmente as alegações do processo”.

(Por Eric Kelsey)