Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Exposição itinerante traz campeões mundiais à Manaus

Cafu, Ronaldão e Mengálvio foram os condutores da mostra que retrata a paixão do brasileiro pelo futebol. Os ex-jogadores também responderam questões envolvendo a Copa no Brasil

Mengálvio (1962), Ronaldão (1994) e Cafu (1994/2002), foram os guias da exposição que, dentre outras relíquias, tem a bola mais antiga e a mais atual do mundo

Mengálvio (1962), Ronaldão (1994) e Cafu (1994/2002), foram os guias da exposição que, dentre outras relíquias, tem a bola mais antiga e a mais atual do mundo (Clóvis Miranda)

A Exposição “Brasil: Um país, Um mundo” teve início oficial na tarde deste sábado (31), no Shopping Ponta Negra, na avenida Coronel Teixeira (antiga estrada da Ponta Negra), Zona Oeste de Manaus, somente para convidados e a imprensa. A mostra será aberta ao público em geral a partir deste domingo (1º) e promete mergulhar seus visitantes na maior paixão do povo brasileiro – o futebol.

Durante cerca de duas horas os campeões mundias, Mengálvio (1962), Ronaldão (1994) e Cafu (1994/2002), foram os guias da exposição que, dentre outras relíquias, tem a bola mais antiga e a mais atual do mundo; uniformes das seleções brasileiras usadas em quase todas as copas; uniformes raros de clubes das 48 maiores torcidas do futebol nacional, assim como chuteiras, flâmulas e outros artigos que deixam qualquer marmanjo louco por futebol de queixo caído.

Um pouco antes, na entrevista coletiva organizada pelos patrocinadores do evento, os ex-jogadores foram sabatinados pelos jornalistas. Questões envolvendo a organização da Copa, possíveis manifestações e até a convocação dos jogadores, feita pelo técnico Luiz Felipe Scolari foram debatidos. Além, é claro, das histórias que envolvem os bastidores do futebol nacional.

Cafu criticou o #somostodosmacacos

O capitão da Copa de 2002, na Coréia/Japão, Cafu opinou sobre o polêmico slogan criado após ato racista cometido contra o lateral direito da seleção e do Barcelona, Daniel Alves. “Realmente, nós não somos macacos. Nós somos cidadãos e temos de ser respeitados como tal. Imagina os turistas que virão pro Brasil e verem esse tipo de coisa: eles vão achar que estarão vindo pro Planeta dos Macacos”, disse o ex-jogador em alusão a um longa metragem dos anos 60.

O responsável por erguer a taça FIFA em 2002, também falou da “desorganização” da Copa e dos prováveis protestos que deverão ocorrer durante o evento no Brasil. Cafu foi enfático ao afirmar que não é contra o torneio no Brasil, mas sim, é contra a maneira como o evento está sendo organizado. “Eu nunca disse que era contra a Copa, só acho que tudo que foi prometido antes, não está sendo cumprido. Foi prometido que seriam usados recursos da iniciativa privada, mas o que se está gastando com a Copa, é dinheiro público”, disparou o campeão.

Sobre as manifestações que estão sendo esperadas para antes e durante os jogos na Copa, Cafu não fugiu do assunto: “A Copa tá aí e vai acontecer. O Brasil é um país democrático. Mas acho que os protestos terão de ocorrer pacificamente. Pode ter certeza que se tiver coisa errada, eu serei o primeiro a ir pra rua protestar”, completou. 

Ronaldão não quis polemizar

O zagueiro Ronaldão, campeão na Copa dos Estados Unidos, falou sobre sua convocação, ocorrida uma semana antes do início do mundial de 1994 e da escolha do jogador Henrique pra compor a zaga brasileira na Copa. “A minha convocação foi uma surpresa até pra mim, que não esperava mais. Estava concentrado no Japão, e iria disputar uma partida pelo meu time na época, o Shiimizu”, explicou o ex-jogador.

Em relação ao zagueiro Henrique, o campeão brincou: “Rapaz, vocês estão querendo me comprometer com o Felipão e o Parreira, que é meu amigo”. Mas depois respondeu que o técnico da seleção sabia o que estava fazendo e acha que os jogadores brasileiros farão uma grande Copa do Mundo.

Toda a Experiência do Grande Mestre Mengálvio

Campeão na Copa de 1962, no Chile, onde era reserva de luxo de Didi – o Folha Seca, Mengálvio, um dos maiores jogadores da Era de Ouro do Santos Futebol Clube, foi por diversas vezes aplaudidos pelos jornalistas. Sempre sorridente e solícito o ex-meia santista, que compôs a melhor linha de meio e ataque da história do futebol mundial, composta por Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, também não fugiu dos questionamentos da imprensa.

Mengálvio respondeu diretamente a reportagem do Portal A Crítica sobre a contusão de Pelé em 1962, e um provável substituto de Neymar, caso o atacante brasileiro venha a se machucar, como aconteceu com o Rei do Futebol naquela Copa: “Olha meu rapaz, você está me metendo numa sinuca de bico”, brincou o grande mestre.

Após retrucar um pouco Mengálvio contou uma das histórias mais empolgantes da coletiva. “Quando o Pelé se machucou, logo no início da Copa, nós sentimos um pouco, afinal era o Pelé. Mas naquela equipe tinham muitos jogadores com personalidade forte. E todos apoiaram o Amarildo (Amarildo – o Possesso entrou no lugar de Pelé, jogou quatro partidas e marcou três gols, inclusive na final contra a Tchecolováquia). Ele entrou e junto com o Garrincha, jogaram muito, e fomos campeões”, relatou.

“Já quanto ao Neymar, não existe ninguém como ele na seleção. Não tem substituto. Não quero nem pensar na possibilidade dele se machucar”, finalizou a lenda viva do futebol brasileiro.

A Exposição: Brasil; Um País, Um Mundo, ficará no Shopping Ponta Negra até o dia 25 de junho. Os horários são de segunda a sábado das 10h às 22h e aos domingos das 14h às 20h. A entrada é gratuita.