Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Especial cidades-sede da Copa: a magia de Brasília

CRAQUE lança nesta quinta-feira (1) a série “Sedes da Copa”, para você conhecer um pocuo mais das cidades que vão receber os jogos da Copa do Mundo no Brasil 


Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha foi o mais caro da Copa do Mundo

Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha foi o mais caro da Copa do Mundo (Divulgação)

A 42 dias para o início da Copa do Mundo no Brasil, o CRAQUE resolveu fazer uma viagem pelas sedes do Mundial. Por isso, caro leitor, a partir de hoje você vai poder conhecer detalhes da preparação das 12 cidades que receberão as 32 melhores seleções do planeta, nos meses de junho e julho. A série “As sedes da Copa” será publicadas sempre às quintas e sábados.

A nossa primeira parada será em Brasília, capital do País e que tem o estádio mais caro do torneio. O novo estádio Mané Garrincha - o antigo foi completamente demolido - custou em torno de R$ 1,6 bilhões, segundo informações do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF). Mas esse valor é contestado pelo Governo do DF, que afirma que o preço da construção foi de R$ 1,4 bilhão.

O estádio, que vai receber o jogo entre Camarões e Brasil, no dia 23 de junho, pela terceira rodada da Copa, é a única obra, das várias prometidas, que foi concluída. Até porque, se não fosse isso, não haveria Copa em Brasília. Já as obras de mobilidade não saíram do papel.

“Tentaram fazer o VLT (Veículos Leves sobre Trilhos), mas não conseguiram. O aeroporto está uma zona e não deve ficar pronto até a Copa. Mas a ampliação das pistas que dão acesso ao local deve ser concluída por esses dias. O corredor exclusivo para ônibus também não está pronto. Ou seja, quem vier para cá, vai ver o que sempre teve aqui, nada de novo”, disse o servidor público, Ramon Nascimento - que é manauense, mas mora em Brasília há mais de dez anos.

Mas a capital do Brasil - que é Patrimônio Cultural da Humanidade, título concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e tem grande parte dos prédios desenhados pelo arquiteto Oscar Niemeyer - é uma cidade ultramoderna com prédios homogêneos, ruas largas e arborizadas, além de parques que com certeza agradarão aos turistas que desembarcarão por lá a partir do mês que vem. Para o técnico de futebol, João Carlos Cavalo, que hoje mora em Brasília, aconteceram algumas falhas na hora de preparar Brasília para o Mundial. Mesmo assim, ele acredita que ter uma arena nova e moderna será muito importante para o retorno do público aos estádios por lá. “Acredito que essa reforma do Mané Garrinha foi muito boa para o futebol de Brasília. As pessoas estão empolgadas, principalmente com a possibilidade do estádio receber grandes jogos, como os das primeiras divisões do Campeonato Brasileiro. Ter uma arena moderna e confortável agrada os torcedores que com certeza voltarão a acompanhar os jogos”, comentou o ex-treinador do Brasiliense.