Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Sabella vai comandar a melhor seleção argentina em anos

Campeão da Copa Libertadores da América como jogador e como técnico pela equipe do Estudiantes, Alejandro Sabella sabe o caminho do sucesso para tentar conquistar o tri mundial da Argentina no Brasil

Alejandro Sabela sofreu críticas por não convocar Tevez, o 'herói' dos argentinos

Alejandro Sabela sofreu críticas por não convocar Tevez, o 'herói' dos argentinos (Reprodução)

Os paralelos entre Alejandro Sabella e o homem que ele espera copiar, o técnico Carlos Bilardo, campeão da Copa do Mundo de 1986 com a seleção argentina, são suficientes para convencer alguns torcedores de que o momento é promissor para a Argentina vencer seu terceiro mundial.

O ponto em comum é o Estudiantes, o pequeno clube de La Plata que conquistou a Copa Libertadores quatro vezes, três vezes com Bilardo brilhando em campo nos anos 1960 e uma com Sabella no comando em 2009.

Quando Bilardo jogava, o Estudiantes disputou três Mundiais de clubes e venceu em 1968, feito que também realizou com Sabella como técnico em 2009, quando perdeu a final para o Barcelona.

A dupla ainda trabalhou junta no início dos anos 1980. Recém-chegado do time inglês Sheffield United, onde ainda é reverenciado pelos torcedores, Sabella jogou sob a batuta de Bilardo no Estudiantes em um meio-campo criativo que rendeu dois títulos da liga ao clube.

Não foi surpresa Sabella, de 59 anos, ter escolhido Belo Horizonte como cocentração da Argentina para a Copa deste ano – é a cidade de sua maior conquista como treinador, quando o Estudiantes conquistou a Libertadores de 2009 com Juan Sebastián Verón como capitão.

Em 1983 Bilardo escolheu Diego Maradona para capitanear a Argentina, e três anos depois arrebatou o segundo título mundial de seu país no México. Sabella deu a braçadeira a Lionel Messi assim que assumiu em 2011.

Sabella tem experiência na Copa do Mundo. Em 1998 ele atuou como assistente do técnico Daniel Passarella na França, e muitos suspeitam que ele pode ter sido a mente tática por trás da equipe que chegou às quartas de final.

A escola de técnicos do Estudiantes privilegia o pragmatismo ao invés do espetáculo, mas o paradoxo é que Sabella tem uma seleção repleta de talentos no ataque e uma defesa frequentemente criticada que ele admite precisar melhorar para dar mais equilíbrio ao time.

“Meu trabalho é disfarçar o desequilíbrio da melhor maneira possível. Às vezes conseguimos, e em outras foi mais difícil”, disse ele aos repórteres em sua volta à Buenos Aires após o empate sem gols com a Romênia em um aquecimento para a Copa no dia 5 de março em Bucareste.

"A Argentina tem uma linha de frente de meter medo. A questão é (como os adversários) ocupam espaços. Dessa forma eles conseguem nos prejudicar e se defender. É uma questão mental, física e técnica. A Alemanha faz isso bem... eles conseguem fazer essas duas coisas que atrapalham, e quando perdem a bola se reorganizam rápido”.