Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Princesa perde para Brasiliense mas se classifica na Copa do Brasil

Sem nervosismo e até mesmo com alguma 'catimba' ´para esfriar o ânimo do adversário, o Princesa do Solimões conseguiu a classificação para a fase seguinte da Copa do Brasil e agora vai enfrentar ninguém menos que o Santos, no próximo dia 8 de Maio na Arena da Amazônia

Jogadores do Princesa comemoram a classificação na 'Boca do Jacaré'

Jogadores do Princesa comemoram a classificação na 'Boca do Jacaré' (Reprodução/ Brasiliense)

O Princesa do Solimões conseguiu a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil e agora vai enfrentar o Santos. Jogando com a vantagem em baixo do braço, o Tubarão perdeu por 4 a 2 para o Brasiliense no estádio Elmo Serejo Farias, a ‘Boca do Jacaré’, em Taguatinga, no Distrito Federal, na noite desta quarta-feira (23). A partida terminou em 5 a 5 no placar agregado, com vantagem para o Tubarão por ter levado menos gols em casa.

Agora, é hora de pensar na equipe da Vila Belmiro, o Santos, que passou pelo Mixto, do Mato Grosso para chegar à segunda fase. Marquinhos Píter prega o foco no Barezão, onde o Tubarão vai enfrentar o Penarol.

"Vamos pensar agora no campeonato amazonense, mas estou feliz por estar participando com o Princesa do Solimões em um campeonato de tanta projeção como é a Copa do Brasil e conseguir esta classificação aqui na casa do Brasiliense, que é um time muito difícil de ser batido", disse Marquinhos Píter após a partida.

O jogo

Precisando do resultado positivo por mais de dois gols de diferença pára avançar à segunda fase da competição, o Brasiliense foi para cima do Princesa do Solimões que se armou na defesa esperando o contra ataque.

Aos 9 minutos de partida, o centro avante Luiz Carlos mostrou oportunismo ao aproveitar desvio de escanteio e tentou duas vezes na pequena área até estufar as redes do goleiro Milton. Brasiliense 1 a 0 Princesa.

O gol não abalou o Princesa que continuou com a mesma postura em campo. Michell Parintins e Fininho armavam os contra ataques e serviam Branco e Nando, que avançavam pelas pontas do campo.

Branco quase deixou tudo igual em grande chance pela direita aos 15 minutos de partida. Ele subiu ao ataque com velocidade e deu um forte chute, mas a bola foi para a fora e triscou a parte de cima da trave.

O Tubarão tanto investiu no contra ataque que foi recompensado aos 33 minutos de jogo.Fininho achou Nando, que subiu com velocidade pela esquerda, deu belo corte em Fábio Brás e chutou rasteiro, sem chance para Welder. Brasiliense 1 a 1 Princesa.

Logo depois do gol, o goleiro Milton se contundiu com o meia do Jacaré, Luquinha, e caiu no chão. A equipe do Brasiliense acusou simulação de Milton, que ficou caído em campo, mas o árbitro Bruno Rezende Silva autorizou a entrada da maca e dos médicos do Princesa em campo. O jogo ficou paralisado por alguns instantes até que ele tivesse condições de voltar.

Aos 41 minutos Luquinha teve ótima chance de colocar o Jacaré à frente do placar mas não contava com ótima defesa de Milton. O goleiro deixou sobra, Luiz Carlos chegou nela, mas não conseguiu o chute e tocou para Baiano que chutou em cima de Lídio.

O técnico Marcos Soares, do Brasiliense, resolveu sacar Julio Bastos e colocar mais um atacante, Gilvan. Agora, o Brasiliense precisava marcar mais dois gols e não tomar nenhum para levar o jogo para os pênaltis. Com isso em mente, os jogadores do Distrito Federal entraram mais focados ainda.

A mudança colocou fogo no jogo. Antes de um minuto de partida, Baiano levantou na área do Princesa, Gilvan ajeitou de primeira para Luiz Carlos que com um tapa mandou a bola no travessão superior.

O Brasiliense continuou sufocando o Princesa. Aos Gilvan subiu com velocidade, ia escapando de He-man, que o agarrou. O árbitro parou o lance e deu cartão amarelo para He-Man.

Logo depois foi a vez de Alberto fazer falta feia em Baiano e ser ‘agraciado’ com outro cartão amarelo.

A defesa à perigo fez com que Marquinhos Píter optasse por fechar a equipe. Ele resolveu sacar Amaral e colocar o zagueiro Thiago. Por sua vez, Soares sacou Peninha e colocou o veterano Zé Roberto em campo pelo Brasiliense.

Com toda a equipe jogando no ataque, não demorou para que o Brasiliense conseguisse mais um gol. Luquinha subiu pela direita até a linha de fundo e cruzou rasteiro para a área do Princesa. Gilvan furou o chute mas Luiz Carlos apareceu como último homem e tocou para o gol de Milton aos 13 minutos da segunda etapa. Brasiliense 2 a 1 Princesa.

O gol animou o Jacaré que não tirou o pé do acelerador. A defesa do Princesa foi obrigada a cometer faltas para parar os jogadores. Em uma delas, Baiano cobrou falta direta e frontal que explodiu na trave esquerda.

Aos 22 minutos, Gilvan carregou bola de frente para a área e deu belíssimo passe para Zé Roberto, que penetrou por trás da defesa e ficou cara a cara com Milton. O veterano mandou para o gol com tranqüilidade e foi comemorar com a torcida. Brasiliense 3 a 1 Princesa.

Para tentar contra ataques com mais velocidade em campo, Edinho Canutama entrou no lugar de Nando aos 23 minutos de partida. Luquinhas do Brasiliense também saiu para a entrada de Edinho.

A mudança surtiu o efeito desejado pelo técnico Marquinhos Píter. Com o Brasiliense praticamente sem marcação no meio de campo, Canutama ‘infernizou’ os jogadores de marcação que restavam no Jacaré.

Aos 35 minutos de jogo, Canutama acertou um belo chute cruzado de fora da área sem chances para o goleiro Welder. Foi o gol que garantiu a classificação do Princesa para a próxima fase. Brasiliense 3 a 2 Princesa.

Para fechar o time na defesa de vez, Píter colocou Baé e sacou o craque Michell Parintins da equipe aos 38 minutos de jogo.

Mas o Brasiliense mostrou que não estava morto. Aos 41 minutos, em um cruzamento de Everton, Luiz Carlos fez seu terceiro gol no jogo com cabeçada certeira. Brasiliense 4 a 2 Princesa.


Brasiliense

Welder, Baiano, Fábio Brás, André Luis e Cezinha; Júlio bastos, Everton, Zé Roberto e Luquinha; Peninha e Luiz Carlos.

Técnico: Marcos Soares

Princesa do Solimões

Milton, Delciney, Lídio, He-Man e Alberto; Rondinelli, Amaral e Fininho; Michel Parintins, Branco e Nando.

Técnico: Marcos Piter

Trio de arbitragem

Bruno Rezende Silva (árbitro), Evandro Gomes Ferreira (auxiliar) e Jesmar Benedito Miranda de Paula (auxiliar).