Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Cerca de mil torcedores recebem ônibus da Seleção em Fortaleza

Jogadores agradeceram o carinho dos torcedores e acenaram para a massa de dentro do ônibus. O calor do torcedor será necessário para dar suporte a Seleção contra a Colômbia na próxima sexta-feira (4)

Ensandecida, a multidão gritava o nome de Neymar

Ensandecida, a multidão gritava o nome de Neymar (Clóvis Miranda)

A Seleção Brasileira já está em Fortaleza para o jogo contra Colômbia, nesta sexta-feira (4), na Arena Castelão, válido pelas quartas-de-final da Copa do Mundo. O time do técnico Luis Felipe Scolari foi recebido com festa na chegada ao hotel Marina Park, por volta das 20h.

Aproximadamente mil torcedores compareceram ao hotel para esperar o time de Felipão, que desta vez não decepcionou a galera. Na primeira vez que veio para a capital cearense, ainda na primeira fase para o jogo contra o México, a equipe nacional entrou pelos fundos do hotel e não teve contato nenhum com a torcida, frustrando quem esperava pelo menos um “tchauzinho”.

Nesta quarta-feira (2) a história foi bem diferente. O ônibus da Seleção Brasileira entrou pela frente do hotel e os jogadores acenaram para os torcedores que estavam no local.

Até um sósia do cantor Roberto Carlos apareceu no local, para apoiar o time e também para fazer um alerta a Felipão. “Resolvi fazer isso porque estava acompanhando o jogo entre Holanda e México. O México estava ganhando e achou que já estava tudo resolvido. De repente, a Holanda fez dois gols e virou o jogo, então, estou aqui para alertar o Felipão. É preciso ter atenção. Se fizer um gol, nada de sair gritando olé. Tem que esperar o final do jogo”, disse o cantor Nelson Cover, 62.

A cobertura completa da chegada da Seleção Brasileira em Fortaleza você confere na edição desta quinta-feira no jornal A CRÍTICA.


**Leia mais na edição de quinta-feira (3) do Jornal A CRÍTICA