Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Parreira minimiza atraso na preparação do Brasil e aposta na força da torcida

Parreira acha que esse “atraso” na preparação será importante para o corpo e para a mente dos jogadores. Ele destacou que se o Brasil chegar a final da Copa, os atletas brasileiros ficarão dedicados e focados na seleção por 46 dias

Jogadores se apresentarão somente na próxima segunda-feira (26)

Jogadores se apresentarão somente na próxima segunda-feira (26) (Reprodução)

O coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, minimizou o fato de o Brasil ser uma das ultimas seleções do mundo a iniciar a preparação da Copa do Mundo que será realizada no país e disse ter a certeza de que a equipe terá a torcida como uma das principais aliadas para conquistar o hexacampeonato.

Ao lado da Espanha, que tem dois times na final da Liga dos Campeões da Europa, o Brasil será uma das últimas seleções classificadas para a Copa do Mundo a iniciar a sua preparação para o Mundial.

O Brasil se apresenta na Granja Comary na segunda-feira (26), embora por determinação da Fifa, atletas convocados por Felipão não estejam mais liberados para defender seus clubes desde a última segunda feira (19).

“Não estamos preocupados com isso. Estamos prontos desde a Copa das Confederações no ano passado”, disse Parreira a jornalistas em um evento do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), no Rio de Janeiro.

“Esses três ou quatro dias a mais que eles terão serão importantes para eles e acho mais que merecido para quem jogou longas temporadas. Eles virão com as energias carregadas”, frisou o coordenador do Brasil.

“Quarenta e seis dias são uma maratona até a final e nós estaremos lá”, garantiu.

O Brasil estreia na Copa do Mundo no dia 12 de junho, em São Paulo, contra a Croácia, que teve dois jogadores cortados recentemente. Um por proferir insultos nazistas e outro por questão física.

“Não vejo vantagem para o Brasil nisso. Eles são pródigos em ter bons atletas assim como o Brasil. Se amanhã for cortado um ou outro, a seleção vai continuar forte. Isso vale para Argentina, Espanha e outras seleções”, avaliou Parreira

Antes da estreia no Mundial, o Brasil fará dois amistosos contra Panamá, em Goiânia, e Sérvia, em São Paulo. Os dois jogos serão no mês de junho.

Será mais uma oportunidade do Brasil jogar com o apoio da torcida brasileira que, de acordo com Parreira, foi fundamental na conquista da Copa das Confederações e se tornou um dos principais trunfos na luta pelo hexacampeonato mundial,

“A Copa das Confederações nos mostrou --eu até pensava um pouco diferente, porque o torcedor é muito exigente e a imprensa cobra muito-- que é bom jogar com o torcedor do nosso lado", disse.

 “Antes eu tinha dúvida se seria bom jogar no Brasil, porque havia uma inquietação nos estádios. Agora acho que isso foi dissipado de forma absoluta na Copa das Confederações”, finalizou.