Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Bruno assina contrato com time da 2º divisão mineira e pode voltar a jogar

A volta de Bruno Fernandes aos gramados ainda depende de autorização da justiça mineira, que condenou o goleiro a 22 anos e três meses de prisão 

Bruno orquestrou um plano macabro de assassinato de sua ex-amante e mãe de seu filho, Eliza Samudio. O corpo da vítima ainda não foi encontrado.

Bruno orquestrou um plano macabro de assassinato de sua ex-amante e mãe de seu filho, Eliza Samudio. O corpo da vítima ainda não foi encontrado. (Reprodução)

Bruno Fernandes, ex-jogador do Flamengo, pode voltar a atuar profissionalmente no futebol após ser condenado pela morte de sua amante, Eliza Samudio. Ele assinou nesta sexta-feira (28) contrato para defender a equipe do Montes Claros, time que disputa a segunda divisão de Minas Gerais.

O goleiro recebeu a papelada para a formalização do acordo dentro de sua cela, na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem-MG.

O cartola da equipe, Ville Mocelin, comentou que ‘Todo ser humano tem direito a uma segunda chance’, em entrevista ao site UOL Esporte. O objetivo do time é ‘dar oportunidade ao Bruno de se recuperar para o futebol e sociedade’, conrforme palavras de Mocelin.

"O Bruno terá um salário baixo. Ele vai ganhar o mesmo que os demais atletas, R$ 1.430, com multa de R$ 2,8 milhões", detalhou o presidente do Montes Claros.

Incerteza

Mas Bruno Fernandes ainda depende da liberação da Justiça, que o condenou a 221 anos de prisão, para poder voltar aos gramados. Segundo o dirigente, será necessária uma transferência do goleiro para o norte de Minas Gerais para que possa trabalhar enquanto cumpre a pena.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) informou que até a tarde desta sexta-feira (28) ainda não havia recebido o pedido de transferência de Bruno para outra cidade. O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) disse que só vai se pronunciar quando o pedido for feito formalmente pelo advogado.