Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Samir Galvão, a nova fera do jiu-jitsu no Amazonas

No esporte, os objetivos também são grandiosos. “Quero disputar e conquistar os principais campeonatos, inclusive da FAJJPRO, que é a nova federação de jiu-jítsu fundada no Estado”, completa Samir, com o sorriso metálico de felicidade estampado no rosto

A menina Samir Galvão manda bem nos tatames praticando jiu jitsu e judô

A menina Samir Galvão manda bem nos tatames praticando jiu jitsu e judô (Divulgação)

As artes marciais não param de revelar talentos e a nova promessa amazonense é Samir Lima de Souza Galvão, de 13 anos, do Projeto Social Nandinho/Cidade Nova, Zona Norte de Manaus. Em 2013, a estudante do 9º ano do Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM/Petrópolis) foi eleita melhor atleta por duas federações de jiu-jítsu (FAJJE e FJJAM) e pela federação estadual de judô (Fejama).

Ano passado, Samir disputou 18 campeonatos oficiais da “arte suave”. A faixa verde da categoria até 60 kg conquistou, além dos Amazonenses da FAJJE e da FJJAM, o Sul-Americano, o Pan-Americano e o Mundial da Confederação Brasileira de Jiu-Jítsu Esportivo (CBJJE).

A menina também manda bem nos tatames como faixa amarela de judô, sob orientação do professor David Araújo. Samir, que luta no Sub-15 meio-pesado (até 58 kg), faturou os títulos de cinco campeonatos: o Amazonense, os JEA’s, a Copa Cidade de Manaus, a Copa Samel e a Copa Independência.

Inspiração na família

Samir diz que começou no esporte por influência do pai, Melquisedeque, e do irmão, Micael. “Acompanhava os treinos deles e acabei entrando no esporte também, primeiro no jiu-jítsu e depois no judô, já que uma modalidade completa a outra tecnicamente”, explica.

Para 2014, a lutadora tem metas de gente grande. Uma delas é repetir também o excelente desempenho na sala de aula. “Ano passado, quando era bolsista do 8º ano da Escola Celus da Cidade, minha filha foi a melhor aluna entre todas as turmas da mesma série. É uma prova que dá para conciliar o esporte com a escola”, declara Melquisedeque, o pai cheio de orgulho.