Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Brasil X Chile: começou a guerra... de palavras

Em entrevista coletiva, imprensa chilena levanta suspeita sobre possível favorecimento da arbitragem a Seleção Brasileira. Felipão esconde o jogo e só revela o time minutos antes da partida

Felipão teve de responder sobre suposta arbitragem caseira no jogo contra os chilenos.

Felipão teve de responder sobre suposta arbitragem caseira no jogo contra os chilenos. (Reprodução/internet)

Na última coletiva de imprensa dos brasileiros antes da “decisão” contra os chilenos, o diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, se irritou com questionamento de jornalista do Chile sobre arbitragem. Enquanto Luiz Felipe Scolari e o capitão Thiago Silva eram sabatinados sobre a equipe que entra em campo neste sábado (28) pelas oitavas de final do torneio.

Faltando menos de 24 horas para o início da partida que pode colocar Brasil ou Chile nas quartas de final do Mundial, uma verdadeira guerra de suposições entrou em campo antes das seleções. A impresa chilena citou o medo de jogadores da “La Roja” (apelido da Seleção do Chile) e até de membros da federação daquele país, sobre uma arbitragem favorável a Seleção de Felipão.

Rodrigo Paiva, diretor de comunicação da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), assumiu a coletiva e, visivelmente irritado, respondeu. “Não é um desrespeito só com a Fifa, com o árbitro da partida, com a Seleção Brasileira, com as pessoas que trabalham aqui de forma séria, com 100 anos de história do futebol brasileiro, vencedor.”

Antes de abandonar a entrevista o diretor ainda completou o raciocínio: “É um desrespeito, acima de tudo, com o povo brasileiro. O Brasil não precisa de árbitro para ganhar competição, para ganhar título. E vocês deveriam respeitar um pouquinho mais o povo brasileiro e a Seleção Brasileira”, encerrou Rodrigo Paiva.


Felipão na retranca

Apesar de ter escalado Fernandinho no lugar de Paulinho e ter trocado Daniel Alves por Maicon na lateral-direita, no último treino da Seleção Brasileira, o técnico Luiz Felipe Scolari despistou, e não quis revelar a equipe que entra em campo no confronto com o Chile pelas oitavas de final do Mundial.  

“Já está resolvido. Joga Maicon ou Daniel”, disse o treinador, com riso irônico para desconversar sobre suas escolhas. “Tenho 23 e vou escolher 11. Vou entrar com 11, pode acreditar. Maicon, Daniel Alves, David Luiz, quem quer que seja, Ramires... Alguém vai jogar do lado direito”, avisou o técnico, que só vai liberar o treino para a imprensa por 30 minutos.

Felipão ainda continuou com o mistério e não cedeu a pergunta de um jornalista chileno que tentou descobrir se o Brasil jogaria no ataque ou se ficariam esperando o Chile. "Vamos pressionar e defender", disse provocando risos. "Vou montar nossa equipe de acordo com nosso padrão de jogo. Se der certo ou errado temos alternativas que vamos conversar antes do jogo para saber como se comportar diante de determinadas situações".

Respeito a “La Roja”

Durante toda a coletiva, Felipão e o capitão Thiago Silva elogiaram o desempenho dos chilenos na Copa. "Taticamente acho que o Chile é muito evoluído, é bem organizado. Se nós não formos corretos, podemos ter dificuldade ou até não passar por eles", explicou o treinador.

Questionado sobre a declaração do atacante do Barcelona, Sánchez sobre não temer enfrentar o Brasil, Thiago Silva disse que não se ofendeu com a declaração. "Não foi provocação, ele confia no time dele como eu confio no meu. Ele fala o que está sentindo. Não estou aqui pra responder ninguém”, respondeu o capitão da Seleção Canarinho.

Cautelosos, Felipão e Thiago Silva cogitaram uma derrota da equipe brasileira. "Todo jogo pode terminar a gente passando ou não. Os jogadores sabem disso. Não ficaremos nada orgulhosos de não passar, já que estamos trabalhando com dedicação, alegria e amor, mas do outro lado tem um adversário de qualidade. Se eles vencerem, não podemos fazer nada. É vida que segue", disse o técnico.

O zagueiro acompanhou o tom do treinador: "Gostamos de estar aqui, se a gente não passar, a frustração será muito grande. Nenhum jogador gostaria de ser eliminado, gostaríamos de ser campeões. Mas futebol é apaixonante por isso: ninguém sabe quem vai vencer ou perder", opinou o zagueiro.


Neymar e a Playboy

O momento de descontração da tensa coletiva ficou por parte do questionamento dirigido ao treinador da Seleção Brasileira sobre a ação que o atacante Neymar moveu para a retirada de uma revista masculina de circulação. A modelo Patrícia Jordane, que supostamente teve um caso com o craque, no fim do ano passado, posou para a edição deste mês da Playboy que tem o título: “A morena que encantou Neymar”.

Tanto o comandante da Seleção Brasileira, como o zagueiro Thiago Silva, disse não saber do fato. E que nem conversaram com o astro do Barcelona e da equipe verde-amarela sobre o assunto. “Playboy? Playboy não é comigo, já estou velho para isso, cara. Talvez o Thiago Silva possa responder”, respondeu o técnico, apontando para o seu capitão, arrancando risos dos jornalistas.

O zagueiro foi tão rápido na resposta quanto é nos botes sobre os atacantes adversários: “Bom, eu sou casado!” cortou o assunto Thiago Silva.