Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Campeões do calote? Seleção da Alemanha é acusada de estar devendo R$ 500 mil na Bahia

Empresa criada pela federação alemã para a construção e manutenção do Centro de treinamento da equipe, deixou um rastro de dívidas. Entre os lesados estão artistas, empresas e até moradores da região 


Seleção Alemã logo depois que levantou a taça, levantou voo e deixou contas por pagar.

Seleção Alemã logo depois que levantou a taça, levantou voo e deixou contas por pagar. (Reprodução/internet)

Pouco depois de levantar a Taça Fifa, a campeã da Copa do Mundo no Brasil levantou voo de volta a Berlim. Como presente aos brasileiros, além da goleada de 7 a 1 na semifinal do torneio, os simpáticos germânicos deixaram contas em aberto. De grama a material de construção, e até artistas plásticos, ficaram sem ver a cor do dinheiro por parte da federação alemã. Os cobradores prometem entrar na justiça para receber a partir da semana que vêm.

A empresa Acquamarina de propriedade de três sócios alemães que residem no Brasil é a responsável por todos os contratos em débito. Com o intuito de transformar o centro de treinamento da Seleção da Alemanha em um resort para turistas após o término do Mundial. Acontece que os credores são tantos que a situação da companhia se tornou bastante complicada.

O proprietário da Greenleaf esteve em Cambrália para tentar contatar os donos da Acquamarine, mas não os encontrou na cidade. A empresa que fornece grama para campos de futebol tem de receber dos alemães uma conta de R$ 153 mil, por serviços feitos no centro de treinos na Bahia.


O fornecedor de grama notificou extrajuducialmente a empresa dos alemães, que prometeram pagar. Porém, o prazo da quitação se encerra nesta sexta-feira (15), e caso o compromisso não seja honrado, a Greenleaf vai entrar na Justiça já na segunda-feira (18).

Contas e mais contas

Pelo menos sete das 20 casas do complexo onde residiram os alemães, foram ornamentadas com obras de artistas plásticos, que não receberam pelo trabalho. De acordo com um dos artistas, o prazo para pagamento estipulado em notificação judicial, termina hoje. Mas, o próprio artesão não está confiante em receber a dívida que no total chega a quase R$ 300 mil.

Outro que deve recorrer a Justiça para ser pago é a loja de material de construção Fiaço, com sede em Porto Seguro. O proprietário do estabelecimento também espera pelo pagamento de uma dívida, o valor do débito não foi divulgado.

Entre tantos credores tem um que parece não ver luz no fim desse túnel de dívidas. Trata-se da Companhia Elétrica do Estado da Bahia (Coelba). A conta de energia elétrica do centro de treinamentos não teria sido paga e o valor cobrado é de R$ 6.343,95.

Não pagam nem promessa

Até a comunidade de Vila de Santo André, com cerca de 800 habitantes, em Santa Cruz Cambrália, no sul da Bahia, está cobrando os alemães. É que a federação da Alemanha prometeu a reforma de um campo de futebol que ficaria como legado da Copa para os moradores da localidade.


No entanto, a obra que chegou a ser iniciada, foi paralisada logo após o embarque dos campeões mundias de volta à Alemanha. O projeto inicial era pra ser concluído no fim do mês de julho, mas o campo está repleto de lama por conta das chuvas e não tem previsão de ser entregue.