Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Especial ‘Campeões da Copa’: o triunfo da Inglaterra

Relembre a seleção inesquecível de 1966, que trouxe, pela primeira vez, a taça ao país responsável por estabelecer as regras do futebol moderno

O ‘English Team’ consegui bater o Brasil de Pelé e Garrincha, a Alemanha de Beckenbauer e o Portugal de Eusébio

O ‘English Team’ consegui bater o Brasil de Pelé e Garrincha, a Alemanha de Beckenbauer e o Portugal de Eusébio (Reprodução)

A Seleção Inglesa de Futebol, que com a Itália faz o primeiro jogo da Arena da Amazônia na Copa do Mundo de 2014, no dia 18 de junho, traz para Manaus o peso da camisa e a herança genética dos inventores oficiais do futebol.

Mas, embora tenham criado as regras do esporte mais popular do planeta, demorou para que o English Team tivesse a honra de levantar uma taça de campeão do mundo. O ano foi o de 1966, quase 40 décadas após o primeiro Mundial da Fifa.

Formado por craques como o goleiro Gordon Banks, o meio campo Booby Chalton e o atacante Hurst, a Seleção da Inglaterra desbancou grandes seleções: o Brasil de Pelé e Garrincha, a Alemanha de Beckenbauer, e a revelação do Mundial, Portugal de Eusébio, artilheiro da Copa com nove gols.

Assim como em 2014, a Inglaterra de 1966 caiu justamente no Grupo da Morte da Copa, ao lado de México, Uruguai e França. Os guerreiros ingleses logo mostraram sua força ao vencer as seleções francesa e mexicana, ambas por 2 a 0, embora tenham empatado em 0 a 0 com o Uruguai.

Nas quartas de final, viria a Argentina pela frente. Numa antecipação da Guerra das Malvinas, que criaria grande rivalidade entre os dois países duas décadas depois, a batalha contra os Hermanos foi dura, mas terminou com a vitoriada inglesa, por 1 a 0 – gol de Hurst, de cabeça.

O jogo também foi marcado pela polêmica expulsão do camisa 10 da Argentina, Rattín, que, pela ausência de cartões em campo, demorou quase dez minutos para entender que estava sendo expulso pelo juiz alemão Rudolf Kreitlein.

Nas semifinais, a marcação inglesa conseguiu anular o craque de Portugal, Eusébio , que havia marcado três gols contra o Brasil. Com dois gols de Bobby Charlton, contra um do artilheiro afro-lusitano, a Inglaterra estava na final da Copa do Mundo.

Pela frente, a Alemanha Ocidental, time temido pela tradição e qualidade do elenco. Jogando melhor, a Inglaterra impôs a derrota germânica por 4 a 2, com um gol de Peters e três de Hurst, contra dois da Alemanha, marcados pela Haller e Weber.

A justiça estava feita e a Inglaterra, que brindou o mundo com a criação do futebol, tinha enfim, o seu primeiro e até agora único título.