Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Ex-jogador dos EUA desembarca em Manaus nesta segunda-feira (5) para ação social

CRAQUE entrevistou ex-meio campista norte-americano de futebol, Cobi Jones, que vem a capital para promover treino-aula e ministrar palestra. Jones também deverá percorrer Natal e Recife, cidades que receberão os jogos dos EUA 

Ação em Manaus faz parte do projeto Sports Envoys, desenvolvidos com o objetivo de promover clínicas esportivas

Ação em Manaus faz parte do projeto Sports Envoys, desenvolvido com o objetivo de promover clínicas esportivas (Divulgação)

O esporte pode ensinar muito mais do que as meras técnicas e regras de jogo. É o que pretende mostrar o ex-meio campista da seleção norte-americana de futebol, Cobi Jones, que desembarca em Manaus nesta segunda-feira (5) para, entre outras coisas, difundir valores como inclusão social, trabalho em equipe, disciplina, autoconfiança e liderança por meio da prática esportiva.

Com quase duas décadas como jogador profissional e três participações em Copas do Mundo, Jones deve percorrer as mesmas cidades em que a seleção de seu país jogará na primeira fase do torneio, ou seja, Natal, Recife e Manaus, onde visitará os estádios da Copa e se encontrará com autoridades, além de promover clínicas de futebol e palestras nestas sedes.

A atividade faz parte do program Sports Envoys, desenvolvido pelo Departamento de Estado dos EUA desde 2003.

Na capital amazonense, o ex-jogador promove, das 14h30 às 16h desta segunda-feira, um treino-aula para alunos do Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou e, mais tarde, ministra palestra no Icbeu, de 18h às 19h, sobre a importância do esporte como ferramenta educacional, integradora e socialmente inclusiva.

Em conversa por telefone com a reportagem do CRAQUE, Cobi Jones, que hoje é consultor esportivo do Los Angeles Galaxy, conta que já atuou em vários projetos de cunho sócio-educativo envolvendo o esporte tanto nos Estados Unidos quanto em outros países, e diz que traz a sua experiência como jogador para levar lições aprendidas dentro do esporte.

“A experiência de vida que você tem dentro do jogo faz com que você aprenda muito. Aprenda a receber e dar ordens, por exemplo, são coisas que são importantes para as crianças em uma idade jovem para que, quando mais velhos, possam tomar essas virtudes e levá-las para sua vida, na vida profissional ou para interagir socialmente com outras pessoas”, declarou Jones.

Ensinar e aprender

Embora venha a Manaus pela primeira vez, Cobi conta que já viveu no Brasil, quando jogou pelo Vasco da Gama, entre 1995 e 1996, e fala do interesse que tem pela cultura brasileira. “Não é (uma viagem) apenas para visitar os estádios, mas também as pessoas, cada pequena micro-cultura dentro das comunidades brasileiras. Acho que será uma grande experiência e eu espero que eu possa aprender um pouco sobre cada uma”, diz ele.

Três perguntas para Cobi Jones

Como o futebol pode melhorar a vida das pessoas?

De várias maneiras. O esporte vai além de apenas o jogo. Trata-se de inclusão, aceitar outras pessoas, aprender a ser um líder, a aceitar tempos difíceis e, além disso, se superar e também ser um grande vencedor.

Quais são suas expectativas contra EUA e Portugal em Manaus?

Eu acho que vai ser um jogo muito interessante, uma partida sobre a qual está se criando grande expectativa. Obviamente, nos EUA nós estaremos observando para ver como nossa equipe se comporta, mas Portugal é uma boa equipe, que têm o melhor jogador do mundo. Vamos ver como eles voltam depois disso. Todo mundo está empolgado para a partida!

Você chegou a jogar no Vasco da Gama. Como foi essa experiência para você?

Foi uma boa experiência, eu era um jovem e estava abrindo os meus olhos para os caminhos dos esportes. Eu joguei na Inglaterra no ano anterior e, em seguida, vim para o Brasil. São dois estilos diferentes de ver o jogo, mas foi maravilhoso. Eu fui jogar futebol e morar no Rio, não dá pra ficar melhor do que isso.