Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Ex-jogador de clubes italianos, amazonense acredita na derrota da Inglaterra na estreia da Copa

Francisco Gouvinho Lima, o "Pifó", passou oito anos nas equipes do Roma, Lecce, Bologna e Brescia. Ele confessa que nessa Copa do Mundo estará com coração dividido entre as seleções do Brasil e da Itália

"Pifó" nos tempos de Roma:símbolo de vigor e dedicação

"Pifó" nos tempos de Roma:símbolo de vigor e dedicação (Divulgação)

Quando estiver enfrentando a Inglaterra na Arena da Amazônia Vivaldo Lima, neste sábado (14), às 18h (horário local) a Itália vai ganhar mais um reforço no meio de sua fanática torcida que promete incentivar a Squadra Azzurra. O ex-volante amazonense Francisco Gouvinho Lima, mais conhecido como Pifó, 43, com passagem pelas equipes do Roma, Lecce, Bologna e Brescia, depois de oito anos atuando no futebol italiano confessa que nessa Copa do Mundo, vai estar com o coração dividido entre a Seleção Brasileira e a Itália.

Azzurra forte

Na avaliação de Lima, a equipe italiana é uma das fortes candidatas ao título do Mundial no Brasil e o futebol retrancado e arcaico dos italianos já faz parte do passado.

“Sob o comando do técnico Cesare Prandelli, a Azurra passou a jogar mais ofensivamente e tem na dupla Pirlo e Balotelli suas maiores forças nesse Mundial. Vou acompanhar essa partida na Arena da Amazônia, contra a Inglaterra, afinal, passei oito anos no futebol italiano. A exemplo dos brasileiros os italianos são fanáticos por futebol e a Copa do Mundo mexe com eles.  Estou torcendo para dar uma final entre Brasil e Itália”, confessa ele. 

Sempre atento

Lima disse que sempre acompanha o Campeonato Italiano, que é mais conhecido como Calccio, e que a seleção europeia veio com a força máxima para o Brasil para brigar pelo título e chegar à conquista do pentacampeonato. Se isso ocorrer, a Itália empata em número de títulos com os brasileiros. “A Itália é uma seleção tradicional e muito forte em Copa do Mundo. Acredito que eles vêm para ganhar o Mundial”, reforça o ex-volante.

Arrisca placar

Lima não se furta de arriscar um placar para os italianos: “Arrisco um placar nessa partida que a Itália vence a Inglaterra por 2 a 1 na Arena da Amazônia. O Prandelli está fazendo um ótimo trabalho e eles estão confiantes. Mas, a nossa Seleção também está bem preparada pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Boa sorte ao Brasil”, desejou o ex-jogador amazonense e destaque na Roma.

Atuando com forte marcação e força física no meio-de-campo na época em que jogava futebol, o ex-volante amazonense Lima que nasceu no dia 17 de abril de 1971, relembra que se adaptou muito bem ao futebol europeu. Além da passagem por várias equipes da Itália, ele também jogou no Gaziantepspor (Turquia), Zurich (Suíça), Lokomotiv Moscow, Qatar SC e Dinamo Moscow (Rússia), além do futebol americano no San José Earthquakes (Estados Unidos).

Lima começou sua carreira profissional em 1991 jogando pelo São Raimundo. Também teve passagem pelo Nacional e Sul América. Antes de brilhar no futebol europeu, o amazonense atuou no Ferroviário (CE), São Paulo e União de Araras (SP).  No ano passado, tentou disputar o Estadual pelo Naça aos 41 anos, e encerrar a carreira no ano do centenário, mas foi dispensado pelo clube.

“Fui campeão Estadual pelo São Raimundo, Nacional e Sul América. Também conquistei títulos na Europa pelo Roma e três vezes pelo Lokomotiv Moscow. Tentei encerrar a carreira no ano passado no Nacional, mas infelizmente não deu certo. Comecei a carreira em Manaus e quero terminar aqui. Espero fazer ainda um jogo de despedida na Arena da Amazônia”, confidenciou Lima.