Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Fifa pede para governo garantir direito do público ver os jogos da Copa em segurança

Em visita ao Estádio Mané Garrincha, em Brasília, o secretário Jérôme Valcke disse esperar que o governo combata protestos violentos e garanta a segurança da torcida nos estádios

Ao lado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e do governador do DF, Agnelo Queiroz, Jérôme Valcke inspeciona obras do Estádio Nacional Mané Garrincha

Ao lado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e do governador do DF, Agnelo Queiroz, Jérôme Valcke inspeciona obras do Estádio Nacional Mané Garrincha (Agência Brasil)

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, fez hoje (17) a última visita de inspeção ao Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, e disse esperar apoio do governo à organização da Copa para combater protestos violentos, como o que resultou na morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade. Valcke comentou que a Copa é um evento enorme para qualquer país e que requer do governo cuidado com a segurança e garantia do direito de os torcedores chegarem aos estádios.

"Só há uma maneira de lutar contra isso, é usar a polícia para garantir que as pessoas estarão sob controle", respondeu Valcke à pergunta de um jornalista estrangeiro sobre a atuação de black blocs nos protestos. O secretário-geral da Fifa disse que as manifestações pacíficas são legítimas em qualquer democracia, mas quando há violência, a polícia deve atuar. "O público tem o direito de ver os jogos."

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse que, assim como as manifestações pacíficas são um direito constitucional, as manifestações violentas, que atentam contra a vida e depredam patrimônio público e privado, têm também tratamento previsto em lei. "Portanto, com Copa ou sem Copa, em qualquer circunstância, basta a aplicação da lei", disse. O ministro lembrou o caso do cinegrafista morto e disse que a lei aplicada levou à prisão dos responsáveis que serão processados e julgados. "Não há porque cogitar medidas que não aquelas previstas em lei".

Outro ponto de apreensão, faltando quatro meses para o início da competição, é o laudo sobre as obras da Arena da Baixada, em Curitiba. Valcke garantiu que a decisão sobre a confirmação do estádio paranaense como sede da Copa será conhecida amanhã. Ele disse que a espera é porque uma equipe técnica da Fifa fará uma visita ao estádio amanhã para o último relatório que embasará a decisão. Em dezembro, a Fifa manifestou preocupação com o atraso na construção da arena.

Sobre o Estádio Nacional Mané Garrincha, Valcke disse que não há muito o que dizer, pois é um de seus preferidos. O chefe do Comitê Organizador Local da Copa, Ricardo Trade, disse estar satisfeito com os impactos percebidos com o estádio de Brasília. "Foram 28 eventos no ano passado com 640 mil pessoas, quase o dobro do público do antigo estádio em 36 anos. Mais de 2 mil empregos diretos criados, impactando a economia local. Isso também é motivo de alegria para nós no sentido de deixar um legado muito bom", afirmou sobre o estádio que recebe críticas por ser o mais caro entre os que receberão os jogos da Copa e corre o risco de se tornar um elefante branco, por não haver nenhum grande time na cidade.

O governador Agnelo Queiroz garantiu que as obras em curso estarão prontas antes da Copa, incluindo o aeroporto, as vias de acesso ao centro da cidade, além das melhorias de mobilidade no entorno do estádio. "Não vai ter nenhuma obra e máquinas aqui no período da Copa, com certeza absoluta, mas acesso confortável, seguro, facilitado que, graças a Deus, a cidade planejada [Brasília] pode oferecer."