Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

De Garrincha a Neymar – a saga do Brasil contra o Chile

Em três confrontos em Copas do Mundo, o Brasil sempre ganhou fácil dos chilenos. Neste sábado (28), no Mineirão, é a vez do camisa 10 de Felipão repetir os feitos de Mané, Ronaldo e Robinho e levar a Seleção Canarinho rumo ao hexa

Neymar e Hulk marcaram no último encontro contra o Chile. Bom presságio?

Neymar e Hulk marcaram no último encontro contra o Chile. Bom presságio? (Reprodução/internet)

Chegou a hora da verdade. Quem vencer continua no Mundial, quem perder dará adeus ao sonho do título. Brasil e Chile tem uma rica história de duelos na maior competição de futebol do planeta. Em 1962, na semifinal, despachamos os donos da casa e conquistamos o bicampeonato. E em 1998 e 2002 o encontro foi, como agora, nas oitavas de final do torneio.

Em números gerais, foram 68 jogos entre a Seleção pentacampeã mundial e a “La Roja” (apelido da seleção chilena), sendo que o Brasil venceu 48 vezes, aconteceram 13 empates e os chilenos triunfaram em sete ocasiões. Em 34 amistosos, 21 jogos da Copa América, 10 confrontos nas eliminatórias para a torneio da Fifa e três belas disputas na Copa do Mundo.

O primeiro jogo que se tem registro entre as duas seleções, se deu em 1916, na Argentina, em partida válida pela Copa América e o duelo terminou igual, 1 a 1. O último confronto entre os rivais sul-americanos aconteceu longe de seus territórios. Brasil e Chile jogaram um amistoso, em novembro de 2013, em Toronto, no Canadá, e Neymar e companhia venceram por 2 a 1, gols de Hulk e Robinho (que não foi convocado).


O show do "Rei"

A maior goleada de um escrete verde-amarelo contra a La Roja, aconteceu em 1959, numa partida amistosa, no Rio de Janeiro. Com um show de Pelé, que marcou três vezes, o Brasil não teve piedade dos chilenos e sapecou um 7 a 0. Quarentinha fez mais fez dois gols, Doval e Dino Sani sacramentaram o massacre.


O início da rivalidade

O maior revés de uma Seleção Brasileira contra os chilenos aconteceu na Copa América de 1987. Quando o time que tinha jogadores como Valdo, Ricardo Rocha, Müller, Raí e Careca foi humilhado pela La Roja, com uma goleada de 4 a 0, em Córdoba, na Argentina. A equipe comandada pelo técnico Carlos Alberto Silva tombou diante dos heróis Letelier e Basay, que marcaram duas vezes cada.

O jogo da fogueteira

Com certeza o mais tenso e confuso confronto entre Brasil e Chile aconteceu em setembro de 1989, no Maracanã. A seleção vencia por 1 a 0, com gol de Careca, quando um foguete sinalizador foi jogado no gramado, próximo ao goleiro chileno Rojas. A responsável pela lambança? Rosinery Mello do Nascimento, a moça jogou o artefato no campo aos 24 minutos do segundo tempo. O arqueiro do Chile, que vinha fazendo grande atuação, simulou um corte na testa.

Apenas após a recuperação das imagens ficou constatado que Rojas tirou uma lâmina que estava escondida em umas das luvas e provocou o golpe. Confusão armada e a La Roja abandonou o gramado do Maracanã. O episódio custou caro a seleção dos Andes, que foi suspensa por quatro anos de qualquer competição organizada pela Fifa e acabaram não disputando so Mundiais de 1990, na Itália, e o de 1994, nos Estados Unidos.


O goleiro Rojas, o técnico Osvaldo Aravenga, o médico da equipe Daniel Rodríguez, assim como o capitão do time, Fernando Astengo foram banidos do futebol. Porém, Rojas recebeu anistia em 2001 e passou a ser treinador de goleiros do São Paulo.

Quanto a causadora do incidente, a fogueteira Rosinery, chegou a ser presa, mas saiu da cadeia direto para as páginas da revista Playboy. A mulher morreu em 2011, acometida de um aneurisma cerebral.

Garrincha e o Possesso em 1962

O primeiro duelo entre as seleções em Copa do Mundo ocorreu na casa dos chilenos. O Brasil perdeu Pelé logo no início do Mundial, o craque foi substituído por Amarildo – o Possesso (apelido dado pelo jornalista Nelson Rodrigues). A partida valia a vaga na grande final do torneio e Mané deu um show. Além de infernizar os  adversários, o “Anjo das Pernas Tortas” ainda marcou dois gols.


Vavá completou o placar com mais dois tentos. O jogo ficou marcado também, pela expulsão de Garrincha na partida. O ponta-direita se cansou de apanhar de Rojas, seu marcador implacável e lhe deu um ponta pé. Porém, por “força dos bastidores”, foi absolvido em julgamento e disputou a final contra, a extinta, Tchecoslováquia. Resultado: Brasil 3 a 1 sobre os tchecos, com mais um passeio de Mané e Amarildo.

O Fenômeno contra a geração Zamorano

O segundo confronto em Mundiais da Fifa aconteceu na campanha do vice campeonato de 1998, na França. Também pelas oitavas de final do torneio. O Brasil tinha Ronaldo Fenômeno voando em campo, além de vir do tetracampeonato nos Estados Unidos. Os chilenos tinham uma seleção muito forte, com o matador, Ivan Zamorano e o veloz Marcelo Salas.


Mas, em campo, o Brasil foi bem superior. O primeiro tempo da partida terminou com a Seleção Canarinho vencendo por 3 a 0, com dois gols do volante César Sampaio e um do Fenômeno cobrando pênalte. Salas ainda diminuiu para a La Roja, mas Ronaldo determinou o placar final do jogo em 4 a 1 para o Brasil.

A Era Dunga no comando

O derradeiro encontro de brasileiros e chilenos numa Copa do Mundo, aconteceu há exatos quatro anos, novamente nas oitavas de final da Copa da África. O Brasil, comandado pelo capitão do tetra, Dunga, venceu com facilidade o Chile por 3 a 0. Com gols do zagueiro Juan, e dos atacantes Luis Fabiano e Robinho, a Seleção faria sua melhor apresentação naquele Mundial.


A La Roja comandada pelo técnico argentino, Marcelo Bielsa, já contava com alguns jogadores do atual elenco, como Valdívia, Beausejour e Alexis Sanchez. Mesmo assim não foi o suficiente para superar a forte marcação e rápidos contra-ataques do Brasil. Com a vitória naquele 28 de junho de 2010, a Seleção Canarinho passou para as quartas e caiu perante a Holanda.

Neymar e o novo encontro no Mineirão

Assim como em abril de 2013, o Brasil enfrenta o Chile no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Naquela ocasião, a seleção já sob o comando de Luiz Felipe Scolari fez um amistoso contra os chilenos se preparando para a Copa das Confederações. O jogo terminou empatado em 2 a 2, e o Mineirão chegou a vaiar a equipe em muitos momentos.


A equipe chilena também já era treinada pelo atual técnico, Jorge Sampaoli, e Vargas seu grande jogador. Com gols do Zagueiro Réver e do craque Neymar, chamado de “pipoqueiro” pelos torcedores nas arquibancadas, o Brasil não tem boas lembranças daquele jogo. Porém, hoje, a história é outra. Neymar vem de ótimas atuações na primeira fase do torneio e promete continuar a saga de vitórias sobre o Chile em Copas do Mundo.