Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Gramado da Arena da Amazônia em ‘estado chocante’, afirma jornal britânico de prestígio

Em texto publicado pelo diário “The Guardian”, a superfície da grama do estádio local que receberá a partida entre Inglaterra e Itália no próximo sábado (14) está "seca e nua"


Imprensa inglesa "detonou" o estado do gramado da Arena da Amazônia em Manaus, palco do jogo entre Inglaterra X Itália.

Imprensa inglesa "detonou" o estado do gramado da Arena da Amazônia em Manaus, palco do jogo entre Inglaterra X Itália. (Reprodução/The Guardian)

Se já não bastasse o forte calor e a umidade, típicos do clima de Manaus, outro temor foi alardeado pela imprensa inglesa aos jogadores do English Team: o gramado da Arena da Amazônia. De acordo com publicação do jornal britânico desta quarta-feira (11), que também foi divulgada na sua versão online, o estado do palco de estreia das seleções europeias na Copa é "chocante", principalmente devido à qualidade da grama.

"A menos de três dias das equipes se encontrarem na Arena de 173 milhões de libras (R$ 645 milhões), a superfície parece seca e nua em alguns pontos, com linhas amarelas pelo gramado", diz texto do jornal inglês "The Guardian", exibindo imagens de baixa resolução recentes do campo, onde já é possível ver até os banners recém-fixados pela Fifa no começo das arquibancadas.

A imprensa inglesa justifica as más condições do gramado pelo “uso excessivo de fertilizantes na nova superfície de jogo” e determina que, como “já há preocupações sobre a forma como os jogadores vão lidar com as condições de calor e umidade na floresta amazônica”, o campo da Arena da Amazônia “só vai aumentar as dificuldades do jogo”.

Além das críticas feitas à grama da Arena, a imprensa britânica detonou outros setores do estádio. "Nos vestiários, fios desencapados podem ser vistos pendurados nas paredes. E, segundo fontes locais, os funcionários ainda estão colocando a última camada de asfalto no chão", diz a curta publicação, assinada pelo jornalista Gary Payne.

Imprensa brasileira já havia alertado

A Folha de S. Paulo, baseada em estudo da FIFA, publicou matéria na última terça-feira (10) dizendo que a entidade máxima do futebol estaria preocupada com o estado do gramado de sete palcos do Mundial. No relatório, os estádios que apresentaram problemas foram: Arena da Baixada (Curitiba), Beira-Rio (Porto Alegre), Arena das Dunas (Natal), Arena Pantanal (Cuiabá), Mané Garrincha (Brasília), Maracanã (Rio de Janeiro) e a Arena da Amazônia (Manaus).

De acordo com a avaliação interna da entidade, os equipamentos de iluminação artificial que ajudam no sistema de fotossíntese da grama não foram utilizados como deveriam. A recomendação da FIFA era que as luzes, colocadas pela noite, ajudariam o gramado em lugares onde a cobertura das arenas impede o acesso da luz natural.

Na época, a Unidade Gestora do Projeto Copa do Amazonas (UGP Copa) respondeu que não instalou o equipamento de iluminação artificial no gramado da Arena da Amazônia porque não havia necessidade de tal recurso, tendo em vista a incidência de luz natural no campo.

A reportagem do Portal ACRITICA.COM entrou em contato com a assessoria de impresa do órgão na manhã desta quarta-feira (11), que se disse surpresa com a publicação do jornal inglês e citou que a foto publicada pela imprensa britânica seria antiga. Quanto aos problemas nos vestiários, a UGP se limitou a dizer que ninguém da imprensa, seja local ou estrangeira, tem acesso ao interior da Arena, portanto as afirmações seriam inverídicas.  

Uma equipe de reportagem do Portal ACRITICA.COM foi até a Arena da Amazônia no fim da manhã desta quarta-feira e comprovou que o gramado do estádio multiuso encontra-se em boas condições. De acordo com os jornalistas, o campo está com a grama aparada, bem verde e uniforme.


(Foto: Euzivaldo Queiroz)