Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Amazonense que mora na Itália dá um ‘jeitinho’ para torcer pela Seleção Brasileira

A amazonense Maria Erlange Honorato, mesmo longe de casa, revela como irá torcer pelo Brasil

Morando desde 2009 na Itália, Erlange morre de saudades de Manaus. Já Marco Luca, se mostrou encantado com a cidade

Morando desde 2009 na Itália, Erlange morre de saudades de Manaus. Já Marco Luca, se mostrou encantado com a cidade (Acervo Pessoal)

Engana-se quem pensa que são apenas as ruas e os torcedores no Brasil que estão se aquecendo para entrar no clima da Copa do Mundo. O MANAUS HOJE mostrará como a amazonense Maria Erlange Honorato, 40, ao lado do seu esposo, que é italiano, tem dado o seu ‘jeitinho brasileiro’ para torcer, longe de casa, para a seleção canarinho.

Cheia de saudades, ela conta que a cada foto que postam em redes sociais ou lhe enviam é um aperto no coração, por não poder presenciar este momento único, mas afirma que o “coração caboquinho” torcerá igual em qualquer lugar do planeta.

 “O hexa é nosso. Amo de paixão todo esse clima de Copa do Mundo. Aqui colocamos a bandeira da Itália, até porque meu marido é italiano, e a do Brasil no nosso apartamento. Aqui a ornamentação é mais tímida. Não é como ai que todo mundo enfeita tudo, principalmente as ruas. Mas, aqui eles montaram um telão para acompanhar as partidas”, contou ela, que desde 2008 mora na Itália.

 “A personalidade dos italianos é bem diferente da nossa. O meu coração é brasileiro e o do meu esposo é italiano. Eu, timidamente torço para os dois e ainda faço o meu esposo torcer junto comigo. No ano passado o Brasil jogou contra a Itália e só estava eu de brasileira e quando a nossa Seleção fez o gol eu gritei tanto, que todo mundo ficou me olhando”, recordou ela.

Boa vizinhança

Com o coração dividido entre as duas seleções (brasileira e italiana), Marco Luca, de 46 anos de idade, conheceu Maria por uma rede social no de 2008, e no ano de 2009 não contou conversa e veio buscar a amada em Manaus. Encantado com a capital amazonense, ele destacou a diversidade encontrada aqui e brincou com o calor ‘quente demais’. “É lógico que estou com meu coração dividido. O futebol é sempre uma caixinha de surpresas e aqui todos estão achando a seleção fraca, mas ela poderá surpreender depois. Já me considero um caboquinho, pois gosto demais da cidade de vocês e torcerei para as duas seleções”, disse Marco.

Sem desligar da realidade

Marco comentou ainda, sobre as manifestações que vem acontecendo no país e destacou que esse não é o momento ideal para realizar esse tipo de coisa e sim nas urnas em outubro. “Eu concordo que devemos manifestar e brigar pelos seus direitos, mas esse não é o momento tão ideal. Sei que todo esse dinheiro poderia ser investido na educação, saúde e tudo mais, mas o esporte muda a vida das pessoas e acho que se for para manifestar para querer mudanças, mudem nas eleições. Mudem nas urnas”, disse o italiano, consciente da realidade do país que ‘adotou’.