Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Depois do Mundial de Jíu-Jitsu, atletas do Projeto 'Nandinho' se preparam para torneio na PB

Patrick Fragato, 12, Lívia Ellen, 12, Diogo Reis, 12, e Micael Galvão, 10, participarão pela primeira vez de um campeonato nacional da modalidade

Ao todo, os atletas conquistaram cinco medalhas de ouro e uma de prata

Seis atletas do projeto posando com suas respectivas medalhas, conquistadas no Campeonato Mundial de Jíu-Jitsu, em SP (Divulgação)

Após conquistarem seis medalhas no Campeonato Mundial de Jiu-Jítsu, realizado em São Paulo, atletas do Projeto "Nandinho" estão de malas prontas para João Pessoa (PB), onde participarão do Campeonato Brasileiro Sub-13 de Judô, que acontece no próximo fim de semana (23 e 24).

A competição é considerada uma das mais importantes do segmento, pois serve como primeiro teste para avaliar atletas de potencial em todo o país. Ao todo, quatro alunos do projeto estarão na torneio representando o Amazonas.

Os competidores serão Patrick Fragato, 12, Lívia Ellen, 12, Diogo Reis, 12, e Micael Galvão, 10. Eles participarão pela primeira vez de um campeonato nacional da modalidade e estão entusiasmados com a experiência.

Micael Galvão, atual campeão na categoria pesado no campeonato mundial de jiu-jítsu diz estar empolgado. “Essa é a nossa primeira grande competição no judô e esperamos o melhor”, disse.

A competição nacional serve também como classificatória para disputas internacionais. O campeão de cada categoria garante vaga para compor a seleção nas disputas do Pan-Americano de Judô e Sul-Americano de Judô, que acontecem em outubro e novembro, na Bahia e no Peru, sucessivamente.

Com o objetivo de chegar o mais longe possível nas competições, os atletas já aumentaram o ritmo dos treinos e iniciaram uma preparação especial que visa o melhor desempenho dos atletas que irão disputar os campeonatos.

Segundo Melquisedeque Galvão, investigador do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera) da Polícia Civil e coordenador do projeto, o apoio da Polícia Civil é importante para a continuidade da formação de atletas de alto nível.

“A Polícia Civil tem um papel importantíssimo nos auxiliando. Hoje fazemos parte de uma rede de projetos sociais da instituição, que nos apoia incondicionalmente fornecendo desde o transporte dos meninos até nos apoio direto com a divulgação das nossas ações”, afirmou.