Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Esporte radical 'Barefoot' ganha rios do Amazonas

Versão 'descalça' do Wakeboard é perfeita para ser praticada em águas calmas de rios. Modalidade nasceu nos Estados Unidos e vem ganhando força na Região Norte

Deslizar sobre as águas usando apenas um pé requer prática, como prova Eclair nesta manobra

Deslizar sobre as águas usando apenas um pé requer prática, como prova Eclair nesta manobra (J. Renato Queiroz)

Quem acredita que não é possível esquiar sem pranchas no Amazonas provavelmente ainda não conhece o barefoot. O esporte nasceu nos Estados Unidos e tem tudo para crescer nos rios do Amazonas. Isso porque o ambiente ideal para a prática são as águas calmas, como as do Lago do Tarumã, para onde se deslocou a reportagem do CRAQUE, a bordo do barco kriptonita.

As pranchas estão dispensadas do esporte: usa-se apenas os pés, mas é preciso se equipar com a roupa de solo emborrachada (uma espécie de macacão). “Essa roupa é feita de borracha e tem uns flutuadores, por isso, além de ser uma defesa quando caio na água, também funciona como um colete”, explica Eclair Lucas. O médico pratica o barefoot há anos e alerta para a importância de se proteger: “vou chegar a cerca de 60 km/h. Se não estivesse vestido adequadamente me machucaria muito”.

Olhando a demonstração de Eclair Lucas parece muito simples deslizar em pé sobre a água. Primeiro, ele apenas segura na barra e é levado pela lancha, conforme vai ganhando velocidade, Eclair fica com as costas na água e flexiona os braços e pernas, se posicionando como se estivesse sentado e a água fosse o assento da cadeira. Depois, põe os pés na água e, já em pé, começa a “esquiar”. Esse processo demora menos de dez minutos, mas esse tempo pode variar de acordo com o praticante.

Benefícios pra saúde

Quem se arrisca na água consegue ter resultados no corpo e na mente. Michelle Guimarães é atleta, luta Muay Thai, Jiu-Jitsu, mas, confessa morrer de medo na hora de fazer o barefoot. Ainda assim, topou participar da matéria.

“Tenho medo de velocidade, mas aceito fazer o barefoot porque gosto de sentir que estou superando esse problema”, diz a atleta e blogueira fitness. “Quanto ao corpo, o barefoot trabalha o condicionamento de braços e pernas, porque exige força para se estabilizar em pé na água”, ex-plica.

Como praticar

Mauricio Trindade é um dos responsáveis por tornar o esporte mais acessível em Manaus, ele trabalha fabricando canoas de alumínio, mas, para praticar o barefoot, fez botes adaptados para o esporte.

“Esse tipo de barco só tem nos Estados Unidos, são caros, precisei aprender a fabricá-los, mas acredito que valeu à pena”, celebra Mauricio. Hoje, quem deseja esquiar em águas amazonenses, pode entrar em contato com ele pelo número (92) 8825-1271.