Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Largura do campo da Colina deve ser reduzida em Manaus

Após apenas quatro meses de inauguração, o estádio, localizado no bairro do São Raimundo, Zona Oeste de Manaus, terá sua primeira alteração estrutural

O estádio da Colina foi um dos dois Campos de Treinamento criados para dar suporte para as seleções que farão jogos da Copa do Mundo em Manaus

Escadarias muito próximas ao gramado da Colina podem representar risco de acidente de jogadores, por isso serão retiradas (Marcio Silva)

O Estádio Ismael Benigno, a Colina, no bairro do São Raimundo, Zona Oeste de Manaus, mal completou três meses de inauguração e já teve sua primeira alteração estrutural solicitada pela Fundação Vila Olímpica (FVO), que administra aquele espaço.

A decisão ocorreu em virtude do Laudo Técnico de Segurança, emitido pela Polícia Militar do Amazonas após a partida de reabertura do estádio, com o clássico amistoso entre Sul América e São Raimundo (Galo Preto), no dia 3 de julho.

O motivo é uma escada de ferro que conduz às arquibancadas.

Mal projetada, a estrutura termina a poucos metros do campo de jogo, colocando a segurança dos atletas em risco e deixando de atender às medidas pré-estabelecidas pela CBF.

Segundo o diretor técnico da FVO, Ariovaldo Malízia, a largura do campo da Colina deve ser reduzida em quatro metros (dois em cada lado) para se adaptar às exigências e o trabalho de adaptação - com nova marcação para as linhas laterais - deve começar na manhã desta quinta-feira.

“Há uma medida regulamentar que exige uma área de circulação de cinco metros entre o campo e as placas de publicidade. Não atentaram em fazer isso. Agora vamos ter que adequar, por questão de emergência, e colocar as escadas para o lado”, disse ele.

Ainda segundo Malízia, a solicitação de intervenção do projeto já foi enviada à Secretaria de Infraestrutura do Estado do Amazonas (Seinfra), e o governo não deve custear o ônus da alteração. “Foi erro de projeto, então creio que não tem ônus não”, disse.