Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

A Lenda do Real Madrid, Di Stéfano morre aos 88 anos nesta segunda (7)

Reconhecidamente o maior jogador da história do clube espanhol, o craque estava internado desde sábado (5), após sofrer uma parada cadiorrespiratória

Morre Di Stéfano, maior ídolo da história do Real Madrid.

Morre Di Stéfano, maior ídolo da história do Real Madrid. (Reprodução/internet)

O futebol perdeu um de seus maiores ícones na manhã desta segunda-feira (7). Alfredo Di Stéfano morreu em decorrência de um ataque cardíco ocorrido no último sábado (5). O ex-jogador morava na capital espanhola, cidade onde ele foi eternizado pela equipe do Real Madrid como o maior atleta que vestiu a camisa do clube.

“La Saeta Rubia” ("A Flecha Loira", como era conhecido) chegou ao clube espanhol em 1952, quando o Millonarios, da Colômbia, recebeu um convite para ser o adversário do poderoso Real Madrid, da Espanha, em comemoração aos 50 anos do clube merengue. Na bagagem, os colombianos levaram sua grande estrela: Alfredo Di Stéfano.

Jogador de uma velocidade impressionante, além dos chutes poderosos e capacidade de decisão até então pouco vista em um mundo que ainda não conhecia Pelé. O quase imbatível Real Madri, foi derrotado por 4 a 2, com dois gols daquele argentino nascido em Buenos Aires, no dia 4 de julho de 1926. Os dirigentes do clube espanhol não pensaram duas vezes em contratar o craque.  


Com a camisa merengue, Di Stéfano tem números impressionantes: foram 307 gols em 371 jogos entre os anos de 1953 a 1964. Com o argentino em campo, o Real Madri arrebatou cinco Champions League consecutivas, simplesmete a metade das conquistadas até hoje. Além dos títulos internacionais, "A Flecha Loira" ajudou o clube a levantar oito campeonatos nacionais.

O sucesso o vez vestir a camisa da “Fúria”, apelido da Seleção da Espanha. Porém, com a camisa da seleção espanhola, não teve o mesmo sucesso e nunca chegou a disputar uma Copa do Mundo, talvez a maior frustração de sua carreira.