Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Série Campeões: o dia da Fúria no CRAQUE!

Relembre  a conquista da Copa do Mundo de 2010 pela seleção espanhola, que quebrou o jejum de títulos com uma campanha inesquecível – e na própria casa!

Esforço resultou na primeira conquista da Copa do Mundo pela seleção espanhola

Esforço resultou na primeira conquista da Copa do Mundo pela seleção espanhola (Eddie Keogh/Reuters)

O dia 11 de julho de 2010 jamais será esquecido pelos espanhóis. Nesta data a seleção espanhola derrotou a holandesa por 1 a 0 e deixou para trás o estigma de “time amarelão” em mundiais.

O tão sonhando título veio depois de 13 participações em Copas do Mundo. Antes, o mais longe que a Fúria havia chegado era nas quartas de final em quatro ocasiões nas Copas de 1934, 1986, 1990 e 2002. Depois do título, a Espanha se juntou ao seleto grupo de campeões do mundo ao lado de Brasil, Itália, Alemanha, Argentina, Uruguai, Inglaterra e França.

A conquista da “Fúria” marcou época e serviu para consagrar toda uma geração que ficou conhecida pelo futebol arte de esquema tático eficiente, de rápido toque de bola, velocidade dos jogadores e também pela habilidade dos consagrados Xavi, Iniesta, Pedro e Fàbregas, Fernando Torres, David Villa e companhia.

O ciclo vitorioso que culminou na conquista da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, começou em 2008, quando a equipe venceu a Eurocopa já sob a batuta do experiente técnico espanhol Vicente Del Bosque (foto abaixo). Em seguida, o time se classificou com 100% de aproveitamento para o mundial, após vencer o torneio, ainda conquistou a Euro de 2012 com a mesma geração.


Estreia ruim

Aquela velha máxima de que “depois da tempestade vem a bonança” serviu e muito para a seleção espanhola. Após estrear com uma derrota para a Suíça, por 1 a 0, a “Fúria” venceu Honduras por 2 a 0 e encerrou a primeira fase com uma vitória sobre o Chile por 2 a 1. Curiosamente, todas as vitórias sobre Portugal, Paraguai, Alemanha e Holanda na fase mata-mata e até a final, foram de 1 a 0.

O gol heróico que deu aos espanhóis o título na Copa da África foi de Iniesta, aos 11min do segundo tempo da prorrogação. Após receber livre um passe de Cesc Fábregas na entrada da grande área, o camisa 6 da Espanha levou todos à loucura quando acertou um chute cruzado sem chance para Stekelenburg. Durante o jogo, ele já tinha perdido outras duas oportunidades. A partida, aliás, foi uma das mais violentas da história das finais de Copas do Mundo.

Decepções

Antes da conquista, a Espanha sofreu em outros mundiais. Foram quatro edições caindo na mesma fase, nas quartas de final. Em 1934 na Itália; em 1954 na Suíça; em 1958 na Suécia e em 1970 no México. No total, o selecionável espanhol tem nove participações seguidas em seu currículo e apenas um título. Na Copa de 1950 os espanhóis conquistaram até então a melhor colocação, com um quarto lugar.

Ídolo

É fato que a seleção espanhola de 2010 era repleta de craques, mas um, em especial, certamente ficará para sempre na memória dos espanhóis, até pelo fato de ter marcado o gol da final: Andres Iniesta (foto abaixo).

O arqueiro da equipe, Ilker Casillas também ficou marcado na história por sua raça e determinação. Xavi, com seus toques de bola e visão de jogo, também teve seu nome marcado na história de seu país, assim como os atacantes Fernando Torres e Davi Villa.