Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Web rádio amazonense luta pelo engrandecimento do esporte local

A JA Panamazônica é febre na internet e fez recentemente sua primeira transmissão esportiva fora do Amazonas. Em menos de seis meses de existência, a rádio cresce consideravelmente entre os fãs do esporte em todo o Estado

Equipe da JA Panamazônia, a pioneira em transmissões de web rádio fora do Estado.

Equipe da JA Panamazônia, a pioneira em transmissões de web rádio fora do Estado. (Euzivaldo Queiroz )

"Paixão pelo esporte". É com essa frase que o professor de inglês Cícero Júnior, de 34 anos, define o projeto de criar a web rádio esportiva mais acessada no Amazonas. Juntamente com o universitário Klausson Dutra, 19 anos, do jornalista William Dangelo, 48, e do advogado Beto Tabarovisk, 50, os apaixonados por radiojornalismo e por esporte, o grupo tem, agora, sonhos ainda maiores: o de alavancar o calejado futebol baré.

E aos poucos, eles vão conquistando este espaço. A Rádio JA Panamazônica foi a única emissora do Amazonas a transmitir a partida entre Princesa do Solimões e Santos-AP, no último domingo (20), em Macapá, no Amapá, em partida válida pela Série D do Campeonato Brasileiro. O feito também pode ser considerado como a primeira transmissão de uma web rádio local de fora do estado.

O projeto de criar a rádio surgiu quase que por acaso, depois que projetos paralelos acabaram se juntando. O jovem Klausson Dutra já possuía uma web rádio, a Esporte de Primeira. Certo dia, o estudante precisou anotar algo e não tinha caneta, recorrendo aos colegas de outra emissora que estavam ao lado, a Panamericana onde estava Beto Tabarovisk. Os dois trocaram algumas ideias e começaram a arquitetar a criação do que viria a ser a JA Panamazônica.

A origem

Fã confesso da emissora Continental (rádio dos anos 60 e 70, especializada em esportes), Beto Tabarovisk agregou as concepções de transmissão da emissora carioca com o estilo da rádio Panamericana de São Paulo (que depois virou a Jovem Pan). Criou-se, então, a web rádio Panamazônica. O JA surgiu a partir do slogan "Jovem da Amazônia". Alguém viu a sigla "JA" e disparou: "Olha, é a rádio 'JÁ', é?". A instantaneidade levou Beto a fixar o nome em JA Panamazônica.

O primeiro jogo que a JA Panamazônica transmitiu foi Fast e Sulamérica, em fevereiro de 2014, no estádio da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), na abertura do Campeonato Amazonense deste ano. A equipe teve de improvisar a transmissão do jogo, pois o estádio era recém-estruturado, e seus integrantes foram obrigados a transmitir a partida de uma sala de aula da universidade.

O primeiro locutor da rádio na época, Ari Neto, ficou posicionado atrás de um dos gols, sobre um tablado montado às pressas pelo "multifunções" Beto Tabarovisk. Outros grandes nomes do jornalismo esportivo amazonense participaram desta trasmissão, como o historiador e comentarista Teófilo Mesquita e os repórter Paulo Rogério Veiga e Klausson Dutra, que completaram a esforçada equipe naquela primeira empreitada.

'Somos bairristas sim!'

A rádio se preocupa em transmitir os eventos em que equipes amazonenses estejam incluídas. No entanto, eles já trabalharam em uma partida de clubes de fora. Foi o jogo entre Vasco e Rezende, pela Copa do Brasil, primeiro grande duelo a acontecer na Arena da Amazônia, na época recém-inaugurada. Cícero Júnior, porém é enfático ao afirmar que a filosofia da emissora é bairrista.

“Nossa filosofia é bairrista, mas não xenófoba. Nós transmitimos (a partida entre Vasco e Resende) por causa da Arena. Não é nossa intensão propagar o que já é propagado. O jogo foi aqui, foi no Amazonas, por isso nós transmitimos”, afirmou Cícero.

Klausson Dutra lembra que a rádio ainda não ganhou dinheiro com as transmissões dos eventos e que cada integrante da equipe paga do próprio bolso até a água que bebe. “No começo nós gastávamos nossas próprias economias. O ouvinte sabia das nossas dificuldades e se comovia com a nossa situação, mas sempre soube que a rádio daria certo”, diz.

A emissora conseguiu, até o momento, o patrocínio de cinco pessoas que "apostam no esporte local", como eles mesmos afirmam, e custearam as passagens e estadia da equipe em Macapá, quando o atual vice-campeão estadual Princesa do Solimões, equipe de Manacapuru, fez sua estreia na série D como única representando do Estado. "O retorno financeiro é deixado em segundo plano, mas o sonho de se tornar uma grande web rádio é dividido por todos", completa o universitário.

A única rádio do Amazonas no Amapá para transmitir a estreia do Tubarão do campeonato brasileiro, foi quase uma aventura. Mesmo muito cansados após a viagem, a equipe fez uma resenha no estádio da partida, que teve grande audiência dos ouvintes amazonenses. Mais de 600 pessoas acompanharam a transmissão da partida. A média varia de acordo com o evento, mas pelo menos 200 ouvintes sintonizam na emissora para as transmissões esportivas. A equipe revelou que pretende ir a todos os jogos do Princesa na competição nacional.

Esportes e cultura

A JA Panamazônica não se restringe às transmissões de futebol. Com a chegada de Willian Dangelo ao grupo, a emissora começou a intensificar a cobertura do Campeonato Amazonense de Futsal. A rádio também tem exclusividade nas coberturas do handebol, MMA (Mixed Martial Arts) e futebol americano locais, entre outros esportes.

A equipe da rádio também é muito enganjada no aspecto cultural do esporte. Com essa preocupação, a emissora faz a cobertura de palestras voltadas ao esporte em geral. Em maio deste ano, o ex-jogador norte-americano Cobi Jones veio a Manaus fazer uma palestra sobre futebol, que foi trasmitida pela rádio, por exemplo.

“O que move a rádio JA não é o mercadológico. Isso é uma consequência, e não vai valer de nada se a paixão não estiver envolvida e se o desporto amazonense não saltar da posição que está”, declara Cícero Júnior com veemência, sob o consenso da equipe. O enaltecimento do esporte é visto como uma prioridade para o grupo.

“Uma coisa que nos dói muito é ver todas essas estruturas gigantescas que nos deixaram e ser zombado lá fora, assim como quando dizem que aqui não existe futebol ou que o Amazonas é um celeiro de índios”, desabafa Cícero.

Próximos desafios

A equipe da JA estará na final do campeonato amazonense de futebol juniores, no próximo dia 31 de julho, assim como vislumbram transmitir a final da Copa Norte Sub-20, em Belém, caso uma equipe amazonense chegue a final. Eles ainda farão a cobertura da final do campeonato feminino de futsal, entre outros eventos.

Para ouvir a rádio JA Panamazônica, o ouvinte pode acessar o site www.radiojapanamazonica.com.br ou, ainda, baixar os aplicativos para smatphones que transmitem o conteúdo local, como Rádios.com e Tune-in.