Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

De acordo com o Leão, Dunga deve mais de 1 milhão ao Fisco

A Receita Federal cobra do novo técnico da Seleção Brasileira uma dívida referente a uma movimentação financeira feita em 2002, quando ainda atuava como jogador

O time de Dunga também foi alvo das críticas do ex-craque holandês na Copa de 2010.

De acordo com a Receita Federal, Dunga deve mais de R$ 1 milhão ao Leão. (Reprodução/internet)

Mal empossaram seus cargos na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o coordenador-geral da entidade, Gilmar Rinaldi, e o novo comandante da equipe verde-amarela, Dunga, começam a receber denúncias de negócios escusos: Rinaldi é acusado de manter empresas de agenciamento de atletas no exterior e no Brasil e, agora, a denúncia é de que o capitão do tetra esteja devendo o Fisco.

O técnico da Seleção Canarinho é cobrado pela Receita Federal por suspeita de não ter pago imposto sobre dinheiro movimentado no exterior em 2002 - no valor de R$ 907 mil -, revela o jornal Folha de S. Paulo em matéria desta sexta-feira (25).

Segundo o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) do Ministério da Fazenda, há "índicios veementes" de que o ex-volante se valeu de operações financeiras inexistentes para pagar menos imposto sobre um empréstimo feito ao clube japonês, Jubilo Iwata, no qual o capitão da equipe que conquistou o tetracampeonato mundial do Brasil fez parte.

A Receita cobra o valor do imposto que não teria sido pago (R$ 325 mil), duas multas e juros, o que chega aos R$ 907 mil de acordo com correção de 2007. Segundo a Folha, o dinheiro devido pelo treinador seria de R$ 1,3 milhão com atualização hoje.

Dunga rebate

Segundo Dunga, o dinheiro se refere a um empréstimo feito por ele ao Jubilo Iwata em 1998, no valor de US$ 270 mil que foi usado para pagar a empresa Image Promotion pelos direitos de imagem do então jogador, que pertenciam à companhia.

Quatro anos depois, o hoje técnico teria recebido esse empréstimo de volta. Dunga, porém, diz não ter comprovante de tais transações. Pois elas foram efetuadas com dinheiro vivo, o que também deveria ter sido declarado à Receita Federal.

O técnico do Brasil já perdeu o caso em uma instância interna do Fisco nacional, e em 2013 teve recurso rejeitado no Carf. Mas ainda pode levá-lo à Justiça. Em resposta ao jornal, Dunga afirmou que a Receita comete "abuso de autoridade" e tem "ânsia de punir". Ele até ameaça processar o repórter da Folha por "veicular o que afirma que fará" por "dano moral e patrimonial".

"Fossem (meus) argumentos ou provas irreais e/ou ilícitas, à época, teria sido instalado pelo Ministério Público procedimento penal para me punir", esbravejou o técnico.