Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Lutador amazonense sobe aos ringues americanos do UFC

O lutador Adriano Martins quer bater Donald Cerrone para se consolidar como nome forte da categoria leve da competição

Adriano Martins - MMA

Adriano Martins precisa perder 15kg para lutar entre os leves (Leandro Tapajós)

Adriano Martins, 31, partiu na madrugada desta terça-feira (21) para os Estados Unidos rumo ao que pode ser um grande passo para se consolidar como nome forte da categoria leve (entre 66 e 72 quilos) do UFC.

O amazonense tem compromisso marcado com Donald “Caubói” Cerrone, 30, sábado de noite, no UFC on Fox 10, que acontece no United Center, em Chicago, no Estado de Illinois.

A peleja faz parte do card principal do evento, o que chamará a atenção aos olhos do mundo do MMA, além de estar cercada de expectativa em razão das características de ambos. Adriano é um striker de mão pesada e poder de nocaute, que tem investido bastante na trocação (luta em pé), além de ser faixa-preta de jiu-jitsu e ter evoluído bastante no muay-thai e no wrestling.

Donald, por sua vez, tem o kickboxing como arte marcial de origem e usa muito os chutes altos, mas também gosta de trocar socos em pé, além de saber se virar na luta agarrada e nas técnicas de queda. “O que vier de lá (Donald), também vai daqui. Acho que vai ser uma luta bem interessante para o público. Creio que ela será definida na trocação. Vou lá para impor meu jogo e definir a luta em pé. Estou muito tranquilo e bem preparado para mais essa guerra”, disse Adriano.

O resultado do duelo é imprevisível, mas é fato que o amazonense vive um momento bem melhor que o oponente nascido em Broomfield, no Estado do Colorado. Adriano não perde desde 2011 e vem numa crescente evolução de técnicas de muay-thai e wrestling. A estreia vitoriosa no Ultimate ano passado em Goiânia (GO), quando finalizou Daron Cruickshank não somente causou boa impressão como o fez respeitado entre os leves, uma das categorias mais disputadas do evento.

Já Donald vem combinando vitórias e derrotas desde 2011 e declarou falência recentemente. Ele disse ter “estourado” o dinheiro que ganhou com suas lutas no UFC e pediu desesperadamente um combate ao matchmaker (responsável por casar as lutas), Joe Silva.

Donald afirmou, também, não ter a menor ideia de quem seja Adriano, mas garantiu disposição para espantar a má-fase com uma boa vitória. “Não tenho a menor ideia de quem seja Adriano. Acho que ele é bom de jiu-jitsu. Mas eu vou entrar lá (no octógono) e acabar com ele. é o que eu devo fazer”, disse o caubói, que tem como diversões caçar patos selvagens e praticar esportes radicais.

Fé na vitória

Adriano se vale dá fé, da boa fase e da disciplina nos treinamentos para se dar bem diante de Donald, mas admite que precisa tirar férias. “Eu quero logo chegar na pesagem, bater o peso, e no outro dia lutar e definir logo essa luta. Preciso descansar um pouco com minha família. Esses meses foram de treino intenso”. Além da falta de descanso, outro fator de estresse para o amazonense é a perda de peso. Para chegar ao teto máximo da categoria (72 quilos), Adriano perde 15 quilos.

Três perguntas à Adriano Martins Nome, lutador peso leve do UFC

1º Uma vitória sobre Donald lhe consolida no evento...

 Creio que se eu vencer um cara como ele (Donald), que é bastante conhecido, tem poder de mídia, a gente vá lá para a cabeça da categoria. Mas está bem claro na minha mente que cada passo deve ser dado de uma vez. Não é hora de pensar em cinturão.

2º Donald declarou que não tem a menor ideia de quem seja Adriano?

É até melhor para mim que seja assim. Isso é uma vantagem porque eu posso impor meu jogo sem que ele já espere. Creio que seja verdade mesmo, pois eu fiz uma luta no Strikeforce (extinto) que não foi transmitida e essa outra pelo UFC aqui no Brasil.

3º Você terá uma torcedora especial no dia da luta?

 (Risos). É verdade. Minha filha Maria Eduarda vai viajar comigo e me dará forças para eu vencer.