Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Torcedores apontam algumas falhas durante inauguração da Arena da Amazônia

No primeiro dia de abertura da Arena, realizada neste domingo (09), muitos torcedores elogiaram o estádio, mas também reclamaram de alguns serviços

Muitas gente reclamou das filas e até desistiu delas

Muitas gente reclamou das filas e até desistiu delas (LUCAS SILVA)

A Arena da Amazônia Vivaldo Lima recebeu muitos elogios, mas nem tudo foram flores na sua inauguração. Vários torcedores ficaram insatisfeitos com alguns serviços oferecidos no local.

Quem chegou mais cedo ao estádio e resolveu fazer um lanche ou comprar uma água na praça de alimentação se estressou com a demora do atendimento.

“Queria comprar apenas uma água, mas depois de ficar quase meia hora na fila, resolvi desistir. Isso não pode acontecer, assim fica difícil”, comentou Rodrigo Guimarães, segurança.

O casal Mikhail Lima e Priscila Mizoguchi também ficou indignado com mau atendimento nas lanchonetes.

“A gente está tentando fazer um lanche antes do jogo começar, mas já estamos há 20 minutos aqui nessa fila, que não anda”, disse o bancario Mikhail Lima.

Os irmãos Wanderson Gama, Warlysson Gama e Samara Gama estavam empolgados com o jogo, mas encontraram um probleminha logo na chegada à Arena.

“Comprei o ingresso pela Internet e quando eu cheguei aqui o local era pra cadeirante. Fui orientada a sentar no assento do lado, mas fiquei com medo que alguém chegasse”, completou Samara.

Marcelo Affonso, que é pai de Amanda Affonso, cadeirante, disse que tem dificuldades com o Manaustrans.

“A Polícia Militar foi muito atenciosa e nos passou as informações corretas. Já o Manaustrans dificultou bastante a nossa entrada, nós ficamos mais de 10 minutos na Avenida do Samba parados”, reclamou.

A autônoma Edilene Monteiro levou o sobrinho Lucas Monteiro, que também é cadeirante, para assistir o jogo do Nacional e disse que foi tudo tranquilo.

“Os voluntários foram ótimos e nos orientaram direitinho”, afirmou.