Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Confira série especial que conta a biografia dos 'Craques da Copa'

Nesta segunda edição, a série será dedicada ao holandês Johann Cruyff, considerado um dos maiores talentos que já disputaram o Mundial da Fifa

Johann Cruyff está com 67 anos atualmente

Johann Cruyff está com 67 anos atualmente (Arte: Romahs)

A série “CRAQUE das Copas” traz nesta sexta-feira (14) um personagem que é uma jóia rara do futebol mundial. Um jogador que, mesmo sem jamais ter vencido uma Copa do Mundo, até hoje é considerado um dos maiores talentos que já disputaram o Mundial da Fifa. Quem é esta fera? O holandês Johann Cruyff, hoje com 67 anos.

Dono de um futebol elegante, com uma categoria invejável e técnica excepcional com a bola nos pés, Cruyff participou apenas da edição de 1974, na então Alemanha Ocidental, onde se sagrou o melhor jogador do torneio e também vice-campeão com a famosa “Laranja mecânica” ou “Carrossel holandês” — apelido dado à seleção holandesa daquele ano, que subverteu a forma de jogar futebol até então, com um time onde os jogadores não guardavam posição fixa. Todos atacavam e defendiam, causando uma verdadeira confusão na cabeça dos treinadores rivais. Como técnico, montou e comandou um dos melhores times do futebol europeu, o Barcelona, campeão europeu de 1992.

Cruyff era considerado a peça fundamental dentro do esquema usado pela equipe holandesa de 74. Ele também foi o primeiro jogador a ter patrocínio individual, ao acertar com a fornecedora alemã, a Puma, para usar as chuteiras da marca. E, justamente por causa deste patrocinador, o atacante se recusou a usar o equipamento da Adidas, então patrocinadora da Holanda — e concorrente direto de patrocinador de chuteiras — e mandou fabricar um uniforme específico com apenas duas listras na manga, ao invés das três que caracterizam o logotipo mundial da marca, contrariando a patrocinadora da seleção.

Início

Com uma infância difícil, aos 12 anos Cruyff perdeu o pai e aos 13, deixou os estudos para se dedicar ao futebol. Em 1964, com 15 anos, Rinus Michel, então técnico do Ajax-HOL, preparou uma série de exercícios especialmente para que o jogador pudesse evoluir fisicamente, para que seu corpo franzino aguentasse os trancos do futebol.

Aos 17 anos, a jovem promessa começou a despontar na equipe principal do Ajax e, dois anos depois, em 1966, conseguiu o primeiro dos seus nove títulos do Campeonato Ho-landês.

Personalidade Forte

Com um talento sem igual, o jogador muitas vezes fora criticado por demonstrar autoconfiança em demasia e forte convicção na hora de defender seus ideais. Isso nem sempre era bem digerido pelos colegas de time. Em 1973, por exemplo, os próprios companheiros de equipe fizeram uma votação para definir o novo capitão da equipe por não tolerar mais as atitudes de Cruyff.

A fama de arrogante ficou ainda maior quando ele soltou essa frase em uma entrevista coletiva: “Antes de cometer um erro, eu não cometo esse erro”, disse. Outra declaração que marcou o jogador foi quando, ainda na Copa de 1974, anunciou que não jogaria a Copa de 1978. Cruyff recusou o convite da seleção, dinheiro e não cedeu à pressão dos fãs. Ele alegou não querer ficar distante da família. Entretanto, em uma declaração para um site holandês em 1993, Cruyff confirmou que foi uma maneira de protestar contra o país-sede, a Argentina, que na época era comandada por uma ditadura militar.

Única copa

Após nove anos no Ajax, onde ganhou três vezes a Liga dos Campeões da Europa entre 1971 em 1973, o atacante trocou o tradicional clube holandês pelo Barcelona.

Já em 1978 e ainda no clube catalão, o atacante chegou a anunciar a sua aposentadoria, porém, em maio de 1979, jogou duas temporadas no Aztecs de Los Angeles e depois no Diplomats. Já em 1981, voltou a Espanha para defender o Levante. Naquele ano mesmo voltou para a Holanda, onde ganhou o campeonato nacional e a Copa da Holanda, defendendo novamente as cores do Ajax.

Em 1983 ainda se transferiu para o maior rival do Ajax, o Feyenoord, depois de ser chamado de velho pelos dirigentes do Ajax. E o que ele fez? Conquistou o Campeonato Holandês com o Feyenoord - na ocasião ele fez dupla com Ruud Gullit. Em 1984 ele se aposentou em definitivo do futebol.