Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Famílias de vítimas exploradas sexualmente acionam OAB

O primeiro contato com a OAB aconteceu logo depois que o CRAQUE publicou edição intitulada “Jogo Sujo”, que denuncia casos de crianças e adolescentes que foram aliciados por treinadores de futebol


Denúncias de exploração sexual nos times de base amazonenses

Presidente da OAB-AM garante que a identidade das vítimas será preservada (Winnetou Almeida)

De acordo com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Amazonas (OAB-AM), Epitácio Almeida, algumas famílias de vítimas que foram assediadas ou exploradas sexualmente na categoria de base do futebol amazonense já entraram em contato com o órgão para contar mais detalhes sobre os fatos. 

O primeiro contato com a OAB aconteceu logo depois que o CRAQUE publicou edição intitulada “Jogo Sujo”, no domingo, dia 12, que denuncia casos de crianças e adolescentes que foram aliciados por treinadores de futebol. 

“Nós estamos aguardando que essas famílias venham até nós e tragam as vítimas. Nós precisamos ouvir essas crianças para sabermos mais detalhes do que aconteceu realmente”, disse Epitácio Almeida. 

Segundo a delegada Linda Gláucia - que está em uma missão fora de Manaus - só será possível abrir um inquérito para investigar os casos se alguém (envolvida no caso) for até a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DEPCA) fazer a denúncia. 

“O advogado Epitácio já entrou em contato comigo, mas até agora não há nenhum registro sobre o caso na DEPCA”, explicou o delegado adjunto Rafael Alemand. 

Epitácio Almeida reforça que as famílias precisam ir até a OAB, e garante que a identidade das vítimas será preservada. 

“Existe uma temeridade por parte dos pais de se expor e isso não pode acontecer. Esses casos precisam ser esclarecidos para que isso não volte a se acontecer”, comentou. 

“Alguns pais têm medo e até vergonha de procurar as autoridades para falar sobre essas situações, mas nós garantimos que a identidade do menor será sempre preservada”, ressaltou o advogado. 

Esta semana, o deputado Luiz Castro (PPS) disse que vai encaminhar a reportagem do CRAQUE para ÉriKa Kokay, presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, para que ela possa acompanhar mais este caso de abuso contra crianças e adolescentes no Amazonas.