Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Jogador Luiz Gustavo fala sobre as expectativas para a disputa da Copa do Mundo no Brasil

Natural de Pindamonhagaba, interior de São Paulo, o atleta de 26 anos tem a missão de organizar a defesa e dar qualidade à saída de bola brasileira

Luiz Gustavo fala sobre a expectativa para o Mundial

Luiz Gustavo fala sobre a expectativa para o Mundial (Divulgação)

Discreto dentro e fora de campo: assim é o volante da Seleção Brasileira Luiz Gustavo. Jogador de importância capital no esquema tático de Luis Felipe Scolari, é ele quem, junto a Paulinho, tem a missão de organizar a defesa e dar qualidade à saída de bola brasileira.

Mas ao contrário do companheiro de Seleção, que surge como elemento surpresa no ataque e costuma até marcar gols, o cão de guarda da defesa de Felipão não “aparece” tanto para os torcedores. E, ao que parece, ele prefere assim.

E foi assim, sucinto, conciso, quase monossilábico, que Luiz Gustavo conversou com a reportagem do CRAQUE sobre a expectativa para o torneio, a estreia contra a Croácia e também sobre a “chance” que teve de integrar o elenco alemão para esta Copa.

Natural de Pindamonhagaba, interior de São Paulo, o atleta de 26 tinha apenas 19 quando mudou para a Alemanha, onde jogou no Hoffenheim, no Bayern de Munique – tendo sido campeão do mundo com os bávaros – e atualmente atua pelo Wolfsburg.

Tal vínculo com o país europeu acabou por deixá-lo bem perto de uma possível naturalização alemã, a fim de atuar pela seleção germânica. Porém, o sonho de menino de vestir a camisa verde e amarela falou mais alto.

“O sonho de todo garoto é um dia jogar na seleção de seu país. O meu não era diferente. Foi cogitada a possibilidade da minha naturalização. Mas sempre pensei no Brasil”, disse ele, que também avaliou o futebol da Alemanha.

“A Alemanha tem uma base muito forte. Bons jogadores. Uma geração tecnicamente muito competitiva. Eles também podem se considerar favoritos. Afinal, também possuem três títulos mundiais”, declarou.

Convocado por Mano Menezes em 2011, foi justamente contra a Alemanha a estreia de Luiz Gustavo na Seleção, no amistoso celebrado em agosto daquele ano (uma derrota brasileira por 3 a 2).

Na Copa das Confederações de 2013, já titular absoluto da equipe, o volante de marcação forte e pé esquerdo habilidoso mostrou ser uma peça-chave do time que conquistou o título da competição que é uma prévia da Copa do Mundo.

Questionado sobre o clima dentro do grupo de Felipão, Luiz Gustavo fala do aspecto extremamente competitivo do time brasileiro, assim como do gosto de ser campeão dentro de casa. “O grupo já se conhece e sabemos que todos gostam de ganhar. Todos sentiram o gostinho de conquistar uma competição importante em casa”, afirmou.

Duas perguntas ao volante Luiz Gustavo

1º A Copa do Mundo é um palco de sonhos: do torcedor, de ver o Brasil campeão e creio que muito mais de vocês jogadores, de serem o próprio Brasil campeão. Qual o sentimento que lhe vem ou qual o pensamento que você invoca quanto mais se aproxima a Copa?

A responsabilidade de se jogar uma Copa do mundo em casa é muito grande. Por isso o pensamento é de me concentrar totalmente para essa disputa. Não deixar escapar a chance de sermos campeões em casa.

2º E já no jogo de estreia, o Brasil enfrenta a Croácia, que sempre foi um adversário muito difícil e tem um “cracaço”, o Modric. Você já pensa nesse jogo? Em como vai parar o “menino” croata?

A Croácia tem bons jogadores. Tem um futebol forte e habilidoso. Não podemos nos preocupar com um só jogador. O grupo deles é muito forte.