Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Jogo entre Inglaterra e Itália ficará registrado na história e na memória dos amazonenses

Vitória da seleção da Itália sobre a Inglaterra, em partida histórica realizada na Arena da Amazônia, foi épica. Em um dos momentos mais emocionantes do clássico, a torcida brasileira cantou 'Eu sou brasileiro / Com muito orgulho / Com muito amor'

Jogadores italianos confraternizam

Jogadores italianos confraternizam na Arena da Amazônia, em Manaus (Márcio Silva)

A declaração acima foi inspirada no comentário feito pelo técnico italiano Cesare Prandelli, em entrevista coletiva, e do qual o CRAQUE esteve presente, após a vitória por 2 a 1 da Squadra Azzurra, no sábado (14), na Arena da Amazônia Vivaldo Lima, pela Copa do Mundo.

“Esse foi um jogo épico para nos lembrarmos para o resto da vida”. Sábias palavras, Prandelli. “Tirou” as palavras da nossa boca (felizmente não dos nossos textos). Foi um jogo especial onde se viu um clássico internacional digno de uma Copa do Mundo e da beleza do estádio de Manaus. Na partida, era como se o tempo tivesse parado que pudéssemos apreciar o futebol estiloso de Steven Gerrard e Andrea Pirlo, a garra de Rooney e o futebol envolvente do polêmico, mas craque, Balotelli.

Do pontapé inicial ao fim do jogo, não havia mais espaço, nem tempo, para se reclamar da forte temperatura e da umidade amazônica. Nem das condições do gramado. A maioria da torcida era pró-Itália e, principalmente, contra a Inglaterra. O “principalmente” é correto: em vários momentos da partida os torcedores vaiaram o time da Rainha Elizabeth.

O jogo “esquentou” mesmo a partir dos 34 minutos com o gol de Marchisio: o meia da Juventus, atual campeã Italiana, aproveitou um corta-luz magistral do “Maestro” Pirlo para fazer o primeiro gol da Azzurra.

Mas a alegria dos tiffosi durou pouco: dois minutos depois, Rooney resolveu aparecer e ajudar sua seleção: cruzamento perfeito e gol de Sturridge. 1 a 1.

No segundo tempo, bastaram apenas 4 minutos para que o marrento Balotelli mostrasse porque é considerado um dos melhores atacantes da atualidade. Ele subiu mais alto do que Gary Cahill e fez a alegria da maioria dos torcedores da Arena da Amazônia - o público total foi de 39.800 presentes (o estádio comporta 44 mil pessoas).

Em um dos momentos mais emocionantes do clássico, a torcida brasileira na Arena, parecendo cansada de vaiar os ingleses, cantou “Eu sou brasileiro / Com muito orgulho / Com muito amor”. Emocionante, fantástico. Coisas que apenas uma Copa do Mundo poderia proporcionar. As torcidas de Itália e Inglaterra podem não ter entendido o que havia na letra da canção, mas, com certeza, na língua do futebol, compreenderam que a mensagem de amor. O mesmo amor pelo futebol que as fez atravessar o mundo para ver um jogo no Amazonas.

Com a palavra, os técnicos


Em entrevista coletiva após a derrota para Itália de 2 a 1, o técnico da Inglaterra, Roy Hodgson, disse que a temperatura de Manaus prejudica a todos, mas que isso não interferiu no jogo. Ele também falou que a equipe britânica fez de tudo para virar o jogo, mas que a Azzurra foi mais feliz.

“Nós fizemos coisas muito boas, tivemos desempenho individuais bons. Tentamos e não conseguimos virar o jogo. Os jogadores fizeram o possível, mas agora é hora de nos preparamos para os próximos dois jogos, é hora de levantar a cabeça”, comentou o treinador.

“Teve a questão de Manaus, o calor... Os 15 minutos iniciais foram complicados, alguns jogadores tiveram dificuldades, ficaram desidratados, mas conseguiram jogar e atacaram até os últimos minutos”, completou.

Azzurra

O treinador da Itália, Cesare Prandelli, também falou sobre a questão climática, e disse que a Inglaterra tem uma seleção muito forte e que o jogo foi difícil. O comandante da Squadra Azzurra aproveitou para agradecer o apoio da torcida que prestigiou o confronto na Arena da Amazônia.

“Não sei se foi uma tática chegar apenas na véspera do jogo, antes de virmos para Manaus estávamos fazendo um trabalho em Florença. Com relação ao clima, não é possível não considerar. O árbitro teve a sensibilidade de parar o jogo algumas vezes para que os jogadores recuperassem a energia”, afirmou Prandelli. “Foi um jogo épico, estávamos melhor fisicamente. Mas a Inglaterra tem uma equipe realmente muito forte”, acrescentou o italiano. Prandelli também comentou sobre a situação do goleiro Buffon – que sentiu uma torção no tornozelo durante o treino de reconhecimento do gramado, na última sexta-feira, que o deixou fora do jogo de sábado.

“Nós tentamos recuperar Buffon para a partida contra a Inglaterra, mas não foi possível. Ainda não sei dizer quando poderemos contar com ele novamente”, disse o técnico, que aproveitou para elogiar as qualidades do goleiro Salvatore Sirigu, que entrou em lugar do capitão Buffon e deu conta do recado: “O que eu posso dizer é que Salvatore atuou bem assim como joga em seu clube (Paris Sain-Germain)”.