Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Princesa não faz festa pelos 43 anos, mas ainda sonha com acesso e patrocínio na Série D

O Tubarão completa 43 anos de fundação sem muitos motivos para comemorar. O time está na terceira posição na tabela do grupo A1, com sete pontos ganhos

O Princesa do Solimões perdeu o jogo para o São Raimundo do Acre por 1 a 0 em partida válida pela fase de grupos da Série D

O Princesa do Solimões volta a campo no próximo sábado (23) no estádio Ismael Benigno, Colina, para enfrentar novamente o São Raimundo-RR (Rodrigo Otávio)

O Princesa do Solimões completou, nesta segunda-feira (18), 43 anos de fundação sem ter muito o que comemorar, principalmente por falta de recursos. Único representante do Amazonas na Série D do Campeonato Brasileiro, e com uma despesa de mais de R$ 200 mil por mês, o Tubarão está na terceira posição na tabela do grupo A1, com sete pontos ganhos. O presidente do clube, Holofernes Leite, lamentou a falta de dinheiro no caixa para fazer uma festa digna das tradições do clube.

“Não temos condições de fazer nada. Estamos pagando do nosso próprio bolso a folha de pagamento do clube que está em torno de R$ 215 mil por mês, mas não devemos nada pra ninguém. O Governo do Estado nos prometeu recursos da ordem de R$ 1,5 milhão, para ajudar, mas até o momento só recebemos R$ 250 mil, que foi pago na semana passada”, afirmou Leite.

Questionado sobre qual seria o melhor presente da diretoria do Tubarão para os torcedores nos 43 anos de existência, o cartola do Tubarão foi enfático.

“O melhor presente, com certeza, para a nossa torcida e para o futebol amazonense que queremos dar é o acesso para a Série C do Brasileiro no ano que vem. Não está difícil não, perdemos para o São Raimundo-RR no domingo, mas temos tudo para nos recuperar no sábado jogando contra eles novamente”, avaliou Holofernes Leite.

O Governo do Estado confirmou ontem, por intermédio da Agência de Comunicação do Estado (Agecom), que já repassou ao Princesa do Solimões R$ 250 mil através da iniciativa privada, mas negou que os recursos seriam da ordem de R$ 1,5 milhão, como disse o presidente Holofernes Leite, destinados a ajudar o clube na Série D do Campeonato Brasileiro.

“O Governo do Estado está articulando, com a iniciativa privada, o patrocínio para o Princesa do Solimões, no valor de R$ 1 milhão. Já foi confirmado o patrocínio pelo Bradesco, da ordem de R$ 500 mil, dos quais R$ 250 mil foram repassados ao clube na semana passada. O Governo está finalizando tratativas com outra empresa para o patrocínio de R$ 500 mil restantes”, afirmou a Agecom.

Revanche

A derrota por 1 a 0 para o São Raimundo-RR, domingo, no estádio Ribeirão em Boa Vista que interrompeu uma sequência de duas vitórias no Brasileirão, ainda não foi “digerida” pelos jogadores do Princesa do Solimões. Os jogadores acreditam que podem dar o troco na partida de volta em Manaus no sábado (23) no estádio da Colina e vencer para voltar a briga pela classificação na competição nacional.

“Queríamos uma vitória em Roraima para comemorar o aniversário do Princesa, mas não deu. Agora, é focar no jogo da volta em Manaus. Temos a obrigação de vencer o São Raimundo porque jogamos em casa e temos que voltar a pontuar para continuar na briga pela classificação. O melhor presente que queremos dar ao Princesa é o acesso para a Série C no Brasileiro no ano que vem”, afirmou o zagueiro He-Man.

O volante Amaral também lamentou as chances perdidas na partida em Boa Vista. “Tivemos várias oportunidades de gols, mas infelizmente a bola não entrou. O gramado do Ribeirão também estava ruim e choveu muito e atrapalhou nosso time que toca mais a bola e eles já conheciam bem o gramado. Agora é vencer em casa”, disse.