Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Após 10 meses sem lutar, Rodrigo Minotauro pega ‘pedreira’ no UFC

A disputa com o adversário, Roy Nelson, não podia ser pior para a volta do brasileiro na grade de oito lados na versão 40 do UFC Fight Night, que acontecerá nesta sexta

Minotauro passou por cirurgias no joelho e quadril

Minotauro ignora a situação negativa em relação a Roy Nelson (Textual/ Divulgação)

Heroi da resistência da velha escola brasileira de MMA ainda em ação, Rodrigo Minotauro, de 37 anos, volta à peleja na grade de oito lados na versão 40 do UFC Fight Night, que acontece, nesta sexta-feira (11), em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos (ver Card).

O adversário, Roy Nelson, não podia ser pior para o momento, considerando que Minotauro vem de dez meses sem lutar em razão de lesão no braço, está sem ritmo, e tem pela frente uma pedreira que resiste, de forma impressionante, às pancadas. “Não vejo um caminho rápido, nem fácil, para vencê-lo. Ele (Nelson) é muito duro, tem a mão pesada e é um faixa preta de jiu-jitsu. Nunca foi finalizado ou nocauteado no UFC”, reconhece Monitauro.

Embora seja um lutador carismático, acostumado a superar momentos ruins e mereça respeito pelo conjunto da obra, o baiano nascido em Vitória da Conquista está em linha descendente. Nas suas últimas sete lutas, Minotauro variou quatro derrotas e três vitórias e no meio disso veio uma sucessão de fraturas nos braços, cirurgia de recomposição nos joelhos e uma artroscopia no quadril.

Ainda assim ele nunca se deu por vencido e sempre tratou de postergar sua aposentadoria. “Meu objetivo é fazer grandes lutas e o que acontecer depois disso é consequência. Ainda não penso em aposentadoria, mas sei que estou perto do final da minha carreira”, declarou.

Adversário duro

Roy Nelson vem duas derrotas mas nem por isso merece ser menosprezado. Ao contrário: embora seja “gorduchinho” e tenha tendência a cansar rápido, o norte-americano se destaca pelo poder de fogo nos punhos e pela resistência ao ambiente hostil no octógono. Entre as qualidades de Nelson estão a precisão. boa combinação de socos e capacidade de assimilar golpes e reagir quando menos se espera. Essa característica, inclusive, fez a crítica e o próprio Dana White, executivo do Ultimate, respeitá-lo como um dos principais pesos-pesados em ação na organização.

Nesta quinta-feira (10), na pesagem oficial para o evento, Nelson pesou 115,9 quilos, cerca de oito a mais que o oponente (108). Não houve provocações ou declarações ofensivas. Houve respeito de ambas as partes.