Log in

Bem-vindo Log out Alterar dados pessoais

Esqueceu a senha?

X

Qualquer dúvida click no link ao lado para contato com a Central de Atendimento ao Assinante

Esqueceu a senha?

X

Sua senha foi enviadad para o e-mail:

Tetra em 1994, Raí comenta atual fase da Seleção Brasileira e cobra mudanças na estrutura

O ex-jogador que participou da campanha do tetra em 1994 declarou que a derrota de 7 a 1 para a Alemanha no Mundial não foi normal e que é preciso rever conceitos

Mudanças para Raí na organização do futebol são primordiais

Mudanças para Raí na organização do futebol são primordiais (AFP)

Depois de sofrer a maior humilhação da sua história com a goleada de 7 a 1 para a Alemanha nas semifinais da Copa do Mundo, o futebol brasileiro precisa mais do que nunca se reinventar, começando pelas categorias de base.

“A forma com a qual perdemos para a Alemanha não foi normal. Como outros países fizeram antes de nós, temos que rever muitos conceitos, sobre a organização do futebol, as nossas estruturas e a formação de jogadores”, declarou o ex-jogador Raí, que participou da campanha do tetra em 1994.

Com a seleção mais vitoriosa da história, o Brasil ainda é considerado o país do futebol, mas mostrou nesta Copa que seu jogo está ultrapassado e não acompanhou as mudanças ocorridas nos outros países. A derrota de 3 a 0 para a Holanda no sábado, na disputa pelo terceiro lugar, mostrou que o 'apagão' contra a Alemanha não foi um simples acidente. “Temos que ter a humildade de deixar de lado os cinco títulos mundiais e admitir que precisamos fazer uma revolução no nosso futebol. Precisamos de um tratamento de choque”, avisou Eduardo Tega, diretor da Universidade do Futebol.

De acordo com Marcelo Lima, coordenador técnico das categorias de base do São Paulo, o futebol brasileiro deixou de ser referência e “parou no tempo”. “hoje está ultrapassado”, lamentou.